Mães de primeira viagem: 20 conselhos que vocês devem ouvir

Mães de primeira viagem se sentiriam mais tranquilas se soubessem a verdade da maternidade.

1. A maternidade é feita de extremos. Extrema alegria, extremo cansaço, extrema solidão, extrema bagunça, extrema tensão, extrema realização. Tudo depois que um filho nasce vai para os extremos. 

2. Não amamentar não vai matar seu bebê. Você tentou, pediu ajuda, insistiu, mas não deu. Ou então você não teve saco de ficar amamentando a cada, 3, 2, ou a cada 1 hora, como o resultado da Telesena. Amamentar não é fácil, não é simples como pregam os cartazes de incentivo – tem muito mico e perrengue para amamentar, como eu já contei. Toda mãe sabe que o aleitamento exclusivo até os seis meses é essencial, mas se não rolou, não rolou. O amor pelo seu filho não será maior nem menor por isso. 

3. Não é egoísmo você ter um tempo para si. Sair com o marido para uma baladinha, passear com as amigas, sair para ir ao salão, uma viagem, podem fazer você se sentir um lixo. Mas não é porque seus filhos não estão juntos que você não pode se divertir. Não só pode, como deve. Mãe feliz e descansada é capaz de assumir seu papel com muito mais disposição. 

4. Tenha um tempo para seu banho. Para seu banho, seu livro, seu café. Toda mãe precisa de pelo menos 15 minutos de sossego no dia. Acorde antes, durma mais tarde, peça ajuda, delegue. Mas faça valer os seus mínimos 15 minutos de paz. (Leia Tempo para si mesma depois dos filhos)

5. Eles vão parar de chorar. Choro de criança irrita não só pelos decibéis, mas pelo sentimento de incapacidade de resolver aquela situação que ele gera na mãe. Tentar acalmar todo e qualquer choro da criança desgasta a paciência da mãe. Sem contar que aumenta a dependência da criança. Procure entender a razão do choro da criança. Não estou dizendo para deixar chorando, mas para que você, mãe de primeira viagem, respire, se acalme e tente entender aquele choro.

6. Você não precisa de todos esses apetrechos. Lendo essas listas de chá-de-bebê que circulam por aí, vendo os inúmeros anúncios – de fraldas a brinquedos –, você pode pensar que é desleixada por não ter sugador de catotas ou um penico com suporte para tablet. Conversando com outras mães, você descobre coisas muito mais úteis que nunca vão parar numa lista de chá de bebê, como o amido de milho ou uma bolsa de gel. Já viu a minha lista de chá de bebê?

7. Às vezes vai dar vontade de jogar os filhos pela janela. Existem coisas que precisamos fazer que irritam qualquer mãe, como enxaguar a cabeça da criança, fazer criança inapetente comer e criança agitada dormir. A vontade é de jogar as crianças pela janela ou pular você mesma. Não há nada de errado em sentir essa vontade. O problema é partir para a ação e agredir as crianças. A imaginação é uma excelente válvula de escape. Imagine filhos virando cupcakes, filhos com tecla mute, finja demência, dê uma de louca. 

8. Não se compare. E nem compare seus filhos. Você tem um perfil, que é diferente de qualquer outra mãe. Assim como seus filhos são diferentes do filho da sua amiga. E até seus filhos, mesmo sendo irmãos, são diferentes entre si. E acredite: você sendo mãe de primeira viagem é diferente de você mesma se decidir ter mais filhos (veja o que muda quando se é mãe pela segunda vez).

9. Seu bebê não precisa estar lindo e limpo o tempo todo. Criança ativa e curiosa rola pelo chão, suja as mãos, passa comida no cabelo. Manter a criança limpa o tempo todo só vai te levar ao estresse e à limitação da criança. Higiene é uma coisa, neura é outra. E tem umas coisas nojentas que só mães fazem.

10. Não julgue outros pais. Nada de avaliar uma mãe cujo filho se taca no chão no shopping, nem o pai que falou mais alto na festinha, nem a mãe que faltou à festinha da escola. Você desconhece as razões que os levaram àquele comportamento, e o cuspe pode ir parar bem no meio da sua testa.

Mães de primeira viagem precisam aprender sobre uma outra vida enquanto se redescobrem como mulher.

11. Faça vídeos de seus filhos. Fotos são fotos. Mas tem coisas que só o vídeo pode registrar, como os trejeitos e a voz de seus filhos. Grave gracinhas, brincadeiras, banhos. Eles um dia vão te agradecer por essas memórias. E vai escorrer uma lagriminha no ano que vem, quando você revê-los.

12. Não leve a vida tão a sério. Ser mãe não é trabalho (embora donas de casa devessem receber 12 mil reais de salário). Você não tem meta para bater, nem precisa dar satisfação para um chefe. Ser mãe é cuidar, educar, proteger, brincar, criar laços. E não dá para fazer nada disso sendo tão rígida. Limites e regras existem para serem quebrados de vez em quando.

13. Ninguém melhor que você para saber o que é certo para seu bebê. Palpites surgirão invariavelmente. Mas você não precisa segui-los. Seu bom-senso vai te guiar. E com certeza toda mãe só quer o melhor para seu filho. (Quando é que a gente vira mãe?)

14. Aproveite para passear enquanto seu filho ainda topa ficar no carrinho. Porque depois que ele resolver explorar com as próprias perninhas, seu trabalho será maior. Aproveite para visitar parques, museus, shoppings, supermercados ou até mesmo uma voltinha na rua.

15. Deixe a bagunça rolar. Divirtam-se na cozinha, com tinta, no banho, com areia. A infância é muito curta para você ficar se preocupando com a casa ou a roupa suja. Amanhã você limpa e organiza. Aproveite o agora com seus filhos. Você não precisa dar conta de tudo!

16. Não se preocupe com coisas pequenas. Os primeiros anos da vida de seu filho passam muito rápido para você se preocupar com o chão sujo, uma mancha no macacão, ou uma corizinha, ou um dente quebrado. Manter-se calma é um exercício. Então, amigas mães de primeira viagem (olha eu criando intimidade…), comece com as pequenas coisas do dia a dia. Se o suco de uva cair no chão limpinho, apenas tente rir. Veja como aliviar esse peso de precisar ser a mãe perfeita.

17. Escolha suas batalhas, pois nem todas valem a pena. Não vale a pena a gente se estressar por todo e qualquer percalço no caminho. Seu filho não come? Não brigue em toda e qualquer refeição se a saúde dele estiver ok. Seu filho não dorme? Ficar nervosa só vai deixá-lo cada vez mais tenso também. Valorize as coisas boas, e os obstáculos ficarão cada vez menores. (Leia Por que a mãe da Peppa Pig tem paciência e eu não?)

18. Tudo bem admitir que a maternidade não é tão legal assim. Todo mundo sabe que a maternidade não é comercial de margarina. Mães gritam, choram, perdem a paciência, se arrependem de ter tido filhos. Isso é normal. Assim como é normal essa maré de sentimentos pesados passar e você sair dizendo aos quatro ventos que ser mãe é a coisa mais maravilhosa deste mundo. Já viu o clipe da Maternidade Ostentação?

19. Pais que parecem ter o controle de tudo geralmente estão na mesma confusão que você. Você acha que o filho da mesa ao lado é mais educado e come melhor. Você acha. Porque no dia a dia aquela família passa pelas mesmas dificuldades que você. E um dia ruim não faz de você uma péssima mãe. Leia algumas verdades sobre você se sentir “menas” mãe.

20. Você é uma excelente mãe. E sempre será! Por mais que a adolescência chegue, e seu filho diga que você é a pior mãe do mundo. Você sabe o quanto você se dedica e se doa a seu filho, e é isso o te torna a melhor mãe do mundo para ele.

 

A gente kiba, mas a gente mostra o pau! Post inspirado nesse aqui.