panda

E vem a vó com seu conselho não solicitado:

“Não acostume o bebê a dormir no seu colo, sendo chacoalhado!”

Ela tem razão. Não é fácil ser acordado nas madrugadas frias por um bebê irritado por não conseguir pegar no sono sozinho. Ele precisa ser ninado no colo. E a mãe chacoalha, se cansa, passa a bola pro pai. Ele chacoalha, se cansa, devolve para a mãe. E é um passa repassa, até que um tem a brilhante ideia de dar uma volta de carro. E o bebê enfim dorme. Até ser devolvido ao berço, aquele que você decorou minuciosamente com espinhos, pregos e tachas.

Mãe, sinto lhe informar, mas a culpa é sua!

Não foi praga de vó por não ter escutado o conselho dela. O negócio foi você ficar grávida.

Oras, você passou em média 40 semanas, 280 dias, 6720 horas chacoalhando ininterruptamente seu bebê. Ele lá na sua barriga, todo quentinho, naquela malemolência aquática, todo relaxadinho… daí nasce. O mundo é frio, gente! Tem um monte de luz, de cores, de formas, de cheiros. Para tudo! É muita coisa… O bebê só quer voltar para a paz do seu ventre.

E é naquele caminhar, no quentinho do seu colo, na penumbra, que ele se sente seguro, como se estivesse de volta às origens.

A solução?

Fácil! Na próxima gestação, permaneça imóvel, evite todo e qualquer tipo de movimento. Daí, sim, o conselho da vovó vai fazer todo sentido.

Mas já que o bebê já foi mal acostumado durante a gravidez, você segue chacoalhando. Inclusive nas horas em que não está com o bebê no colo. Quem nunca?