O mito da mãe perfeita: mãe blogueira

mae perfeita

 

Nasce um filho, surge uma mãe blogueira

Já não bastam as noites mal dormidas por filho que te acorda querendo mamar, ou ser ninado. Já não bastam os estresses comuns à maternidade. Agora as mães precisam ter blog.

E é esse tipo de blogagem que tem deixado o fardo da maternidade cada dia mais pesado.

Já não basta apenas ser mãe.

É preciso entrar em trabalho de parto, parir em casa, amamentar exclusivamente até o sexto mês, entrar com papinhas orgânicas, recusar qualquer inserção de adoçante, corante, conservante, qualquer ante que vá modificar o alimento da criança. É preciso amamentar até o dia do vestibular.

Não pode chupeta, não pode mamadeira, não pode compartilhar cama, não pode mandar para a casa da vó, não pode creche.

A mãe precisa trabalhar de casa (e ganhar um bom dinheiro com isso para ser independente), precisa deixar a casa um brinco, com seu detergente e seus produtos de limpeza feitos em casa, biodegradáveis, naturais. Não pode ter empregada, tem que dar conta de tudo. E não pode reclamar.

É preciso ter paciência com as crianças, brincar com brinquedos feitos com sucatas, estimulá-las com bolas, fios e giz-de-cera caseiros. Nada de brinquedinho da moda, nada de TV, nada de aplicativos.

Mãe boa não manda criança para a creche ou para a casa da vó. É preciso estudar em casa. Ser bilíngue, ser musicalizado, socializado, disciplinado. Não pode fazer birra, não pode ser agressivo, e tem que ter senso crítico e de estética aos 3 anos de idade.

Para ser exemplar, a mãe precisa tirar fotos profissionais de suas crianças, no seu quintal todo arborizado, enquanto elas plantam as sementes de chicória que comerão disciplinadamente na hora do almoço em família. E não bastam fotos tratadas dignas de capa de revista. Tem que compartilhar nas redes sociais. Tem que receber 1429 coraçõezinhos.

É preciso exibir sua barriga chapada e seu corpo delgado 15 dias depois do parto. É preciso compartilhar seu prato de salada, seguido de um chocolate belga caríssimo.Tem que ser linda, de cabelo feito, maquiada às 6 da manhã, bem vestida. E as unhas nunca descascadas, pois o esmalte é gringo. Assim como seus demais produtos de beleza.

Não basta ser mãe, não basta ter filhos, não basta ter blog, não basta exibir sua vida perfeita de comercial de margarina. É preciso saber programar, ter noções de SEO, ter views, seguidores, fãs. Uns dois mil no mínimo. Tem que publicar lista de enxoval, guia de desfralde, dicas de amamentação. É preciso profissionalizar o blog, ganhar amostras, ir a eventos, sair em fotos.´

É preciso compartilhar uma vida magistral, sem máculas.

Afinal de contas, quem é que gosta de expor seus defeitos?

E não estou falando pelos outros. Basta ler meu blog para ver isso tudo refletido aqui mesmo.

Convenhamos.

A beleza da maternidade está na imperfeição.

Na falta de saco para amamentar, na falta de tempo para brincar, na pia cheia de louça, na pilha de roupa que você não vai passar, na falta de grana, no esporro que você deu porque seu filho derrubou o suco no chão limpinho. Na falta de vontade de cozinhar e o almoço vai ser fast-food mesmo, com direito a brinquedinho, para você se sentir menos culpada. E vai ter suco de caixinha!

Ninguém publica isso. Ninguém tira foto do filho brincando no tablet. Ninguém compartilha sua foto de pijama, com cabelo desgrenhado, desabafando pelo blog, enquanto tem filho chorando pedindo colo.

A maternidade é assim: imperfeita, inacabada. Ainda que bela e divina, exatamente por isso.

Não postamos sobre nossas falhas, mas buscamos no Google a fórmula mágica para lidar com elas.

Talvez se fôssemos mais verdadeiras, mais sinceras em nossos blogs, não teríamos tantos sorteios, tantos anunciantes. Mas levaríamos a vida mais leve, teríamos mais disposição para aquela dedicação maternal. Teríamos mais amigas, em vez de fãs. Teríamos mais companheiras, em vez de seguidoras.

 

Check Also

25 atividades diárias que irritam qualquer mãe

24 atividades diárias que irritam qualquer mãe

Fazemos essas coisas todos os dias, mas elas irritam qualquer mãe (ou pai) Ser mãe …

85 comments

  1. Assino em baixo de cada parágrafo. Tá fod* ser mãe hoje em dia. A ignorância é uma benção!

  2. Muito bom, Milena! Todas deveriam ler esse post, E as coisas estão caminhando de um jeito que eu ando pensando: “peraí, qual era a prioridade mesmo?
    beijo

  3. tudo verdade verdadeira. joao joga joguinho no celular, come no fast food e eu vivo de saco de cheio de brincar com ele. talvez seja por isso que, nos 3 anos em que tive blog, nunca me chamaram pra nada, hahahah… aliás, voltei a escrever, você viu? tava com muitas saudades: https://depoisqueeudescobri.wordpress.com/

  4. Além da mais pura verdade, muito bem escrito!

  5. Arrasou! Parabens!

  6. Mi, genial!!!!
    Ainda que a gente busque a perfeição, não é ela que nos define!!!
    Cada dia que passa, tenho mais nojo da comercialização de tudo, da necessidade de maquiar todos os defeitos, dessa loucura que nos ronda. Alguns seres humanos realmente me assustam. Acho até por isso eu passei a escrever menos…
    Beijão

  7. Cleo Silva Oliveira

    Eu adoreiiiii, é a pura realidade, aqui deixo eles fazerem e faço o que eu acho que deve ser feito no meu ponto de vista, agora o que os outros vão achar, nem ai pros outros, meu mundo não é de fantasias, vivo dias corridos, calmos, agitados, sou normal. Maquiagem só pra sair hahahaha. PARABÉNSSSSSS http://www.eueosgemeos.com/

  8. Diiirce, já disse que te admiro? Tenha dito então!
    Adorei o post e super compartilho da mesma opinião.
    Só tem uma coisa: Benjamin AINDA não joga no celular, mas deixa ele ver que tem o aplicativo da tal “popó”. Rsrsrsrs
    Super beijo

  9. Ahahahahaaha adooorei! Diiirce tá brava! Uiaaaa…. 😀

  10. Eu adorei seu texto. Minha filha é uma criança feliz e livre, e é isso que mostro no meu blog. Minhas fotos são reais, de pijama, com o fundo real [a minha casa ou onde estivermos], e eu, exatamente como sou: uma mãe criando a filha do jeito que acredita, sem ligar pra ninguém. Meu blog é pequeno e simples, apesar de ser mais antigo que muitos outros…. também tenho pouquíssimos seguidores, mas com SEU TEXTO entendi porquê: minha vida real não é interessante. Bjus Andrea e Lara coisas-da-lara.blogspot.com.br

    • Andrea, sua vida é igual a de todas as mães. Legal mesmo (só que não) são aquelas mães exemplares. É tipo revista de beleza: vc sabe que é tudo photoshop, mas entra em depressão pq sabe que nunca vai conseguir um corpão daqueles.

  11. Amei seu post!!! Super verdadeiro, sincero e sem culpa! Arrasou!

  12. Lia Flávia Savaris Prokisch

    Muuuuuuuuito bom !

  13. Muito pertinente! Sempre achei fora da realidade esse mundo perfeito de algumas mães blogueiras , e a culpa toda que tentam incutir em mães nem tão perfeitas… Busco sim o ideal pro meu filho, mas nem sempre consigo e vou fazendo o melhor que posso.

    • Haline, e como é que a gente sabe que o que consideramos ideal é realmente ideal para nossas crianças? É confuso, mas é aquela história de que a mãe sempre faz aquilo q ELA considera legal, mas que nem sempre é o melhor para o filho.

  14. Adorei!!! é isso mesmo!!

  15. Nossa, totalmente apoiado… não tenho anunciante algum no meu blog pq falo exatamente o que quero, quando quero, da forma que quero… ponto.
    Concordo com tudo isso! Quero que me leiam porque gostam do que lêem e não pq as outras mães buscam em mim um guia disso ou daquilo. não faço, nunca fiz.
    beijos, adorei!!!!

  16. Tatiana Junqueira Blois

    Clap clap clap.
    Tô ficando cada vez mais com preguiça de tudo isso.

  17. Adorei!
    O pior é ver td isso e se frustrar a cada post…
    Bj

    • Nat, não pode se frustrar não. A gente não se frusta com novela, com propaganda, com revista de beleza. É só a publicidade se enveredando pela blogosfera materna… kkkk

  18. Hahaha, descobri agora porque meu blog nunca estourou nas paradas de sucesso… acho que reclamo demais!
    Assino embaixo, Milena. Deixei de ler muita coisa na internet, principalmente no final da minha gravidez, porque passei a me sentir meio oprimida por tantas exigências. E deixei de ler outras tantas coisas porque me cansei do “ativismo” que passou a tomar conta de blogs que eu adorava. Enfim, cada um com seu cada um, mas deixar pra lá algumas coisas é fundamental pra manter a sanidade atualmente…

  19. Arrasou, adorei!!! Ninguém tem filhos perfeitos e que não choram , não fazem birra, acho que todas passamos por isso… Super verdadeiro, um arraso. Bjs
    Vivi e Isaac

  20. Soltou os cachorros! hahaha Mas é bem verdade. Eu hj publiquei no instagram nosso almoço: um belo sanduíche de queijo e hamburguer. E não tô nem aí pra quem acha ruim. Não tivemos tempo e era o que tinha pra hoje. Só a foto descabelada que eu pulo. hahahaha

  21. Ainda bem que a última foto no Instagram foi de uma caixa de Bis.Hahaha! Olha, preciso te dizer que são poucos os blogs maternos que eu sigo e leio. A grande maioria não leio, não sigo justamente por todos os motivos que vc elencou aqui acima. Acho uma malice essa coisa de família linda, filhos lindos que leem livros, amam a natureza e bla bla bla. Tô contigo, maternidade é lama. Tamo junto e bora comer sopa de chicória com feijão orgânico. kkkkkkkkkkk.

  22. Poxa, tava achando que só eu percebia que vivemos rodeadas de "mães perfeitas com filhos perfeitos'. Gostei do seu desabafo sincero, mas não podemos esquecer que na internet cada um pode ser o que quiser. E muita gente usa desse artifício para montar um personagem, mas a gente saca logo, né? Confesso que tenho preguiça disso tudo… Mas quando rolam os encontrinhos [com as crias] é que a gente vê qualéqueé. hahahaha

    • Concordo com vc com essa coisa de personagem. Eu mesmo assumi esse papel de diiirce. O que irrita mesmo é o tanto de caga-regras (com o perdão d palavra) que há por aí, né?

  23. Perfeito seu texto a mais pura verdade sempre me senti um peixe fora d' agua lendo blogs eu nao amamentei ate os 6 meses, chorei com minha bebe no colo varia vezes por nao saber o que ela queria, usei andador e vou por na escolinha pq preciso trabalhar para complementar a renda da minha familia!!!! Enfim ainda prefiro seguir meu coração chorar e pedir ajuda das amigas!!!

  24. amei o post. Me peguei me cobrando um pouco quando lia mais blogs. Queria que meu blog bombasse mais e tal, queria ter mais acesso a uma porção de cosias que o sudeste tem mais, queria ter parceiros/patrocinadores…. Mas por uma porção de motivos, não aconteceu, não acontece… mas eu sou essa mulher real aí. Cheia de imperfeições, de idas e vindas… Salve a mulher de verdade, que fica desgrenhada, perde a compstura… mas que se esforça pra ser melhor a cada dia… mesmo quando as coisas são difíceis. Beijo

  25. Olha que a velha e boa Diiirce está de volta!! Ou já voltou e eu não percebi? Mas me lembro do meu último comentário aqui, num post que você se despedia, dizia que ia desconectar um pouco, e eu lamentei, pois sempre encontrei boas leituras por aqui! Mas logo você retomou e voltou animada, promovendo sorteios, até participei mas não ganhei, era algo sobre "casa segura" sei lá. O bom era ver você de volta .Sabe, você tem razão, tem muita blogueira querendo ser top, capa de revista e o pior, fingindo que não quer ser. Tanta blogueira implorando por convites para eventos e fingindo que não tá nem aí. Eu mesma, já esbravejei com anunciantes e afirmava que não toparia parceria pois "meu blog não tem essa vibe". Mas entrei nesse mundo. E logo eu, uma historiadora das antigas, anti imperialista, fazendo parceria com marca lá dos States. Logo eu que desde os tempos de escola e até hoje digo que não visitarei o USA, muita incoerência, eu diria. Mas eu me orgulho de não ser uma deslumbrada nessa blogosfera materna e não sou mesmo. Eu não quero ser famosa com o blog. Na verdade o que eu sempre quis foi ser uma pedagoga famosa, renomada professora da Uff, mas já perdi o tesão, sabe?. É preciso muita dedicação e eu não tenho tempo pra isso e nem pro blog. Agora conto as horas pra me aposentar e cuidar dos que amo. Isso sim é vida perfeita, pra mim.
    E pra finalizar, essa cobrança toda que as mães blogueiras andam sofrendo, partem delas mesmas. É uma busca infinita por ter mais parcerias e a qualquer preço que já não blogam por prazer e sim pra participar dessa competição que ninguém sabe quem começou! Percebo em muitas uma gana por fazer "sucesso" imediato que me assusto. Mas cada um sabe de si.
    É isso. Adorei seu texto. Esteja sempre aqui! Beijão.

    • Rose, olha q é difícil a gente se segurar nessa cobrança toda. A gnt até tenta se desligar, se desconectar, mas é complicado. Enfim, vamos aprendendo a conviver com pessoas, com meros anunciadores de produtos e com gente de gosta de criar regras. No cara a cara é que a gnt vê quem é quem de verdade.

  26. kkkkk, exatamente. Eu, realmente não tenho medo de expor nada, aliás, eu sou tudo o que" não pode", nunca fui neurótica, nunca me importei muito com muita coisa, tenho um casal de filhos pequenos, são lindos, saudáveis e como qqr menina de 3 anos e menino de 1, me dão um P de um trabalho, outro dia reclamei q nao consegui nem jantar. Enfim, esse assunto é pano pra manga, pq o que acho certo nem sempre agrada outras mães e vice versa, né?

  27. Eu concordo plenamente! Quando achei o blog da Guiliana Giuliana Vaia amei! Amei o texto para aquele concurso de textos maternos (tem mais essa ainda) era tudo que eu sentia! Esse lado B que neurótico que não aparece muito… só em mensagens privadas do face ou skype com as mais chegadas… No almoço da Baby, as gurias da mesa onde estava sentada contaram muitas das suas neuroses, falhas e atitudes maternas, diferentes das nos blogs, inclusive eu e foi super divertido e humano. Amei seu texto tb… parabéns por escrever o que a maioria de nós mães cheias de olheiras e cansadas, realemente sentimos!

    • Olha, Gi, era tanta gente legal, que escrevia bem e tals, mas que perdeu a mão… Mas ainda tem gente legal, como a Giuliana q vc mencionou, que continuam com a mesma alma.

  28. Rogéria Thompson

    Adorei!! hahahahahaha eu nem posso ter preguiça do que nunca vivi, rsrsrsrsrs, meu blog nunca foi materno, mas admirava as amigas que se destacavam, mas agora é uma querendo engolir a outra, coisa de doido…
    Bjs!!! 🙂

    • E as saudades das tardes tuitando loucamente sobre os assuntos mais irrelevantes. A vida era tão mais leve, né? Até que um dia alguém inventou de fazer perfil fake. Foi assim que tudo começou. kkk

  29. Muito o bom o texto, bem isso mesmo.
    Tem hora que cansa os caga regras enchendo o saco.

  30. Hahahaha chorando rir! Sempre achei q existem duas personalidades…uma é a blogueira, mae perfeita… Ou que aí menos almeja ser e a mae real, aquela q faz tudo ao contrario e no fundo sabe q nem mesmo quer mudar ou fazer de outro jeito!! Eu sou imperfeita, nunca escondi..tá tudo lá, todas as tentativas e falhas. Mas, né?? Gente feliz não enche o saco, e gente perfeita nem existe. Logo acredito q a rotina dos comercias de margarina devem ser como minhas manhas…. De pijama e descabelada!! Adorei te ver!! Bjo

    • Também acho que existam personagens por aí, mas acho q mais do q isso, há muita gente vendida e mta gente querendo vender. Não bastassem nossas próprias culpas, vem alguém querendo despejar mais alguns quilos em cima da gente, né? Adorei te conhecer tb, Mari! Queria ter tido mais tempo para conversarmos.

  31. Como uma colega falou em um comentário anterior, a gente lê esses blogs de maternidade com mães perfeitas tão bem produzidos que me pergunto se aquela mãe realmente tem tempo pra fazer tudo o que ela prega, cuidar de um blog tão bem arrumadinho e priorizar o cuidado com os filhos.
    Isso sem falar que, acho que até a gente se tocar que é quase impossível viver uma vida tão sublime daquelas, a gente fica meio que se culpando por não conseguir seguir aquela linha.
    É lindo largar tudo pra se dedicar apenas à criação dos filhos, mas né? Criar filhos demanda dinheiro, e nem todo mundo consegue encontrar uma forma de ganhar dinheiro suficiente trabalhando em casa. Sei lá. É alienação demais.

  32. Indiquei este seu post hoje numa reflexão minha sobre Sharenting 😉

  33. Ameiii… É assim mesmo, imperfeitas porém a beleza procede desta imperfeição.

  34. Adoreiiii!!!! É absolutamente td isso!!! Milhões de cobrança s para que sejamos perfeitas, mas é muito difícil dar conta de 10000 coisas ao mesmo tempo!!! Às vezes bate uma culpa, porém somos humanas!!!!

  35. Menina, eu te amo!!!!!!! Tem horas que me sinto incapaz, indefesa, um monstro verde que baba quando dou chiliques pois parece que sou só eu, me sinto mal por querer cinco minutinhos sozinha, me sinto mal por querer tomar um banho tranquila ou ter uma refeição quentinha. Tento ser perfeita, mas não sou e me culpo por isso. Que bom saber que tem outras mulheres normais como eu…

  36. A maternidade é assim: imperfeita, inacabada. Ainda que bela e divina, exatamente por isso.

  37. Vanessa Camillo Ziareski

    Adorei seu texto….
    Também estou cansada de ver tanta hipocrisia e dicas de como ser uma mãe perfeita e ter um filho perfeito, que não dá “peti”, que não chora e que corresponde a toda a estimulação dada à ele.
    Sou psicóloga e sofro ainda mais essas cobranças (minhas) e indiretas dos outros: Nossa mas ela como psicóloga não vê….
    E a cada dia venho me conscientizando de que meu filho precisa somente que eu e seu pai, estejamos felizes, sendo imperfeitos e aceitando que iremos escorregar no caqui, que muitas vezes não saberemos como agir, mas que estamos dispostos a aprender a ser uma pessoa melhor, por nós e por ele.
    Amei conhecer seu blog!

  38. Excelente matéria!!! A mídia, a sua tia, sua irmã, sua mãe, enfim todos querem que vc seja um exemplo, uma máquina da perfeição, já não bastasse nossas próprias cobranças, temos que lidar com essa hipocrisia que está em tudo quanto é lugar!

  39. Franciely Padilha

    Em poucas palavras.. Que mente incrível escreveu essas palavras…não somente me identifiquei mas identifiquei um mundo repleto disso.. E pergunto? No que a sociedade vai se transformando?

  40. tenho horror a esses rótulos modernos q as mulheres recebem hoje em dia. Enquanto algumas adoram outras se descabelam por não conseguir ser a mãe perfeita.

  41. Graziela Furtado

    Nós mães estamos longe da perfeição, procuramos sim fazer o nosso melhor, mas as vezes tb desabamos, choramos, nos descabelamos, ficamos o dia inteiro de pijama ( eu hoje rs), mas amanhã é outro dia, bora bora

  42. Excelente!
    É por tudo isso que eu tô cagando e andando – falo besteira mesmo, não tem criança lendo – pra todo esse mundo.
    Sou mãe, sou blogueira, adoro um patrociniozinho, fico de saco cheio de papo de parto normal/cesárea/de cócoras/trepada na árvore, reclamo dos meus filhos, fico cansada e inicio motim pra que todas iguais a mim sequestrem um avião e passem 1 semana isoladas numa ilha deserta da Malasia (nem sei se lá tem) com os comissários magya.

    Vou espalhar esse texto mundo a fora!

    Mais uma vez, excelente!

  43. Impressionante! Estou aqui iniciando a mamada da noite com olheiras de quase um mês de bb no colo… Ainda bem que não sou E. T. De sentir tudo isso que você relatou e outro micro-mundo das minhas particularidades. Obrigada!

  44. Sábias palavras, realmente é de enlouquecer esses blog's.
    Com alimentações mirabolantes que só quem tem muito
    tempo e recurso consegue … #sessntindomaisleve.

  45. Simplesmente amei, perfeito!!!! Obrigada por ter escrito… precisa ler isso, mesmo!!!

  46. Amei seu Blog, Diiirce!!

    Bom ouvir coisas que nos fazem sentir normais..kkkkk

  47. Por isso sou sua fã e seguidora… se morássemos perto poderíamos ser amigas! Obrigada por trazer em palavras a simplicidade da maternidade. Você só esqueceu de mencionar o facebook. Não é toda mãe que tem blog, mas toda mãe tem face! Por isso eu digo que as mães Diiiirces de antigamente, que não tinham face, zap e internet eram mais felizes porque seguiam algo que perdemos: instinto materno. Hoje o instinto manda procurar respostas no google! Nos pegamos olhando na internet se o filho se enquadra nos padrões e esquecemos de olhar para a criança e para nós mesmos, pensar em recursos próprios para lidar com as dificuldades que são inerentes à maternidade! Obrigada pela sinceridade. Me senti representada! =) Não para o blog não, vc é sincera! Se é para procurar blogs e no face respostas que sejam sinceras! Tamojuntonamaternidadereal!

  48. Diiiirce, texto perfeito! Adorei! Queria muito te conhecer pessoalmente e tomar uma bela xícara de café enquantos os filhos correm pela casa, gritando e semi pelados! (Meio que essa eh a minha realidade!). Tenho um Instagram de pediatria, meu foco não é descrever a maternidade, mas no consultório tenho como meta desconstruir essa imagem que tudo não pode, e que se tá fora da linha a mãe tá errada! Da para errar um pouquinho todo dia sem fazer mal a ninguém!

  49. Reli meu comentário da época. Benjamin não jogava no celular ainda! Agora, aff, é uma briga pra tirar o celular (do pai!) da mão dele. Rs e adooooramos comer o fastfood e eu não enho problema em falar e postar isso. Ahahahhahaha suco de caixinha tb não falta em casa e até a Stella entrou na onda, mas ainda tá no integral (a gente tanta pelo menos o mais politicamente correto ahahaha)

Deixe uma resposta