Fonte: Google

Uma vez descrevi um momento que foto nenhuma no mundo poderia captar. Foi em 2006, em Niterói, depois de uns 4 dias de chuva ininterruptos. Vi uma paisagem deslumbrante que, mesmo se eu tivesse uma máquina fotográfica ali, não poderia captar tal circunstância. A magia, a vibração da cena, isso a câmera não capta. leia aqui

Estamos em uma época histórica em que cada um tem sua câmera, sempre a postos. O resultado da imagem sai na hora, sem suspense, sem erro. E ainda podemos dividir a imagem com qualquer pessoa do mundo ao colocá-la em nossas redes sociais, aguardando pela aprovação ou não dos que nos seguem.

Qualquer um com uma câmera digital de qualidade e com habilidades no Photoshop virou fotógrafo. Difícil mesmo é encontrar alguém que capture momentos, e não imagens apenas.

Mesmo assim, como descrevi naquele post, existem situações que câmera nenhuma capta.

Quando minha filha nasceu, a fotógrafa entrou no quarto para tirar fotos das lembrancinhas e deixar uma foto de recordação – aquelas que se ganha na maternidade. Pedi para que ela tirasse uma foto da Alicia com o irmão.

Sentei-o no sofá, coloquei a pequena em seu colo, como que se entregasse-lhe um presente – e de fato estava entregando. Os olhinhos dele brilhavam. E ele segurou-a tão amavelmente, de um modo tão acolhedor, que senti segurança em deixar minha recém-nascida sozinha no colo que de uma criança de 2 anos.

Com os olhos cheio d’água, posso dizer que foi a cena mais linda que já vi em minha vida. Senti o nascer do amor dos irmãos, o encantamento dele por aquela criaturazinha, a cumplicidade que brotava de um plano que não podemos compreender. Mal consigo explicar a embriaguez desse sentimento. Mal consigo descrever com detalhes o momento que presenciei. Foi intenso, singular. Um instante inexplicável de afeto, nos dois sentidos da palavra – afeto de afeição, amor; afeto de afetar, tocar, sensibilizar.

Leia: O tempo e os filhos

Depois que ela se foi, ainda voltei ao hospital para pegar as fotos de seu nascimento. Mas a foto dela no colo do irmão não estava lá. Procuraram, procuraram… Nenhum um pixel restou daquela imagem.

Restaram só a saudade do momento e a intensidade do afeto entre irmãos que só o coração de uma mãe é capaz compreender, que só os olhos da alma de quem estava presente pode captar.