erauma

Olha lá o leitor do blog correndo para dar os parabéns!

Mas vamos ler o post inteiro antes de pagar mico.

Dizem que escrever um livro é como parir um filho. Se a máxima for verdadeira, cabe a mim dizer que estou grávida, oras!

Já defini o tema, os capítulos e já tenho algumas páginas escritas. Já pesquisei sobre o assunto, já li livros semelhantes… Enfim, estou engajada neste novo projeto.

Daí eu pensei eu com meus botões: #comofaz

Tem que registrar o direito autoral? Pode enviar para um monte de editoras? É melhor enviar via QI? Como entrar em contato com pessoas que poderiam dar uma mãozinha nesse aspecto? Manda impresso ou eletrônico? Assino como Milene Massucato, Milene Rabello, como Dirce? Como enviar uma cópia para uma pessoa influente no meio dar pitacos? Como? Como? Como?

O livro nem está pronto, e eu já estou me preocupando com os trâmites burocráticos da coisa. Mas gravidez é assim mesmo, né? Ansiedade, vontade de ver a carinha do filho, enjoos, nervoso, muuuuitos palpites (bons e ruins), insônia, medo, fantasia, responsabilidade…

E, olha, vai rolar um suspense master-plããs agora, porque eu não vou sair contando sobre o que é meu livro, né? Mas deixo uma pista: é sobre o universo materno.

E antes que o post termine, desculpe pela mentirinha!