mask

A gente nunca acha que está pronta para ter outro filho

 

Você está aí, roendo as unhas, lascando seu esmalte, se perguntando se daria conta de (mais) um filho.

E eu te respondo: sim, você dá!

Não é porque eu já tenho dois filhos, porque curti quatro gestações e porque ainda não fechei a fábrica, que lhe digo isso. É pela experiência da maternidade plural.

Aquele sentimento de dúvida se a gente vai dar conta só paira quando as coisas são suposições. Quando aparecem dois risquinhos, e o bicho pega, a dúvida dá lugar à autoafirmação. E então você passa a gestação toda mentalizando sua capacidade de cuidar de mais de um filho. Até que ele chega, e as coisas aparentam ser mais simples do que você imaginava.

Eu, por exemplo, em meu primeiro dia em casa com dois filhos, não pedi ajuda para ninguém e consegui tomar banho sozinha, enquanto o marido estava no trabalho. Cheguei até a sentir uns músculos se inflando, e minha roupa virando um calçolão azul com estrelas e um colant vermelho, mas era só fruto da minha autoestima.

Entretanto, esse período é do tipo aperitivo: quando começa a ficar bom, acaba.

Passados os meses de namoro com o recém-nascido, de adaptação dos irmãos, de fim da novidade, coincidentemente, para o bebê inicia-se a exploração do mundo; e para a mãe, a queda de cabelos.

Choros e birras em conjunto, acessos de teimosia e egocentrismo na mesma hora, o suco de um que cai em cima da lição do outro, briga de irmãos, roupa e roupa para lavar (e passar!), o cachorro que late, a campainha que toca…

Onde eu estava com a cabeça quando achei que estava pronta para ter outro filho?

Relaxa. As crianças são o de menos. Com os filhos a gente se desdobra, cede, bate o pé, mas garante que eles estejam em boas condições. É instintivo, é natural, é para garantir a procriação e a existência da espécie. Antigamente as mulheres tinham cinco, sete, onze filhos, e nem tinham microondas ou máquina de lavar roupas! E elas davam conta.

Para se chegar ao sucesso, anote esta palavrinha-chave: prioridade.

Para sobreviver é preciso abrir mão das refeições tranquilas, é necessário abaixar a guarda e pedir ajuda, é essencial respeitar a diferença entre os irmãos, é normal ser mais permissiva em prol da própria sanidade, é fundamental manter o pulso, é natural deixar os irmãos brigarem de vez em quando, é saudável deixar de tentar ser perfeita.

A maternidade plural vai te fazer mudar mais uma vez, por isso é importante tentar resgatar sua vida de antes, ainda que seja em vão, porque sei que o sorriso de seus filhos não vai te deixar voltar.

E, sim, você dá conta disso tudo!

(texto publicado originalmente para a Rede Mulher & Mãe, disponível em: https://mulheremae.com.br/antes/estou-pronta-para-mais-um-filho/