gravida

Estar grávida do terceiro filho é mesmo uma loucura.

Quando estava pensando em escrever este post, minha maior dúvida na hora de reproduzir a frase das pessoas é na hora da pontuação. Uma parte das pessoas não acredita e questiona se eu estou louca. Outra parte já tem a certeza, então simplesmente afirma. Enfim, ter o terceiro filho é como assinar o próprio atestado de insanidade.

A loucura toda começa quando eu desconfiei que estava grávida: uns dias de atraso, um certo enjoo das coisas, de cheiros, os peitos que queimavam… Tecnicamente esta é minha 5ª gestação, então posso dizer que conheço bem os sintomas de gravidez. Dia 22 de abril eu tomei vergonha na cara e fiz um teste de farmácia para confirmar. E lá apareceram dois risquinhos e um frio na espinha. Não por mais um filho, mas pelo fato de que há exatos três anos, eu me despedia de uma filha. Dia 22 de abril de 2011 foi um dia muito triste para mim, uma fase em que eu achei iria enlouquecer – mesmo! E dia 22 de abril de 2014 se torna o dia mais louco, como uma piada interna entre eu e Deus.

Mas o desvario não acaba aí. Resolvemos contar para as pessoas mais próximas e a reação delas é muito engraçada – para não dizer decepcionante. Quando se espera o primeiro filho, os parentes se empolgam, choram, se emocionam, é só alegria. Com a segunda gestação a alegria ainda aparece, mas mais contida. Os parabéns ainda fazem parte das primeiras palavras. Já quando se fala que se está esperando o terceiro (ou quarto, quinto) filho, a primeira reação das pessoas é justamente a que mencionei lá no começo: Você é louca “!” ou “?”. Meia dúzia de frases soltas depois (quando não, palavrões), aparecem os parabéns.

Vale lembrar que no dia 1º de abril, eu postei uma foto de um teste de gravidez no meu perfil pessoal do Facebook para enganar a galere. Muita gente caiu na brincadeira de que eu esperava mais um filho. Mas na verdade quem caiu na pegadinha fui eu mesma, que estava grávida e nem sabia.

E adjetivos para os pais não faltam: corajosos, inconsequentes, empolgados, que não temos bom juízo… Tudo variação da mesma coisa.

De tanto falarem ou questionarem, eu mesma já não tenho lá minhas certezas sobre minha personalidade. Sempre quis, ops, quisemos – eu e meu marido – ter 3 filhos. Agora o terceiro filho está a caminho, e eu sinto aquelas mesmas dúvidas de quando era mãe de primeira viagem: será que vou conseguir, será que dou conta, será que vou ser boa mãe, será que vou amá-lo? Dúvidas que se multiplicam por cada filho que tenho: será que vou continuar amando os outros, será que vou ter tempo para os maiores, será que vou dar conta de dar atenção para todo mundo, será que cada um vai se sentir amado?

Tenho alguns meses para me preparar, pois o bebê só chega em dezembro. Até lá tenho uma mudança para encarar. Veja aí, mais uma loucura no meio do caminho: Tenho muitas caixas, sacolas e malas para arrumar e desarrumar e arrumar de novo.

Um dia de cada vez, vou tentando lidar com esse turbilhão de emoções que é a gravidez. Assim, para eu não enlouquecer.