avo

Se hoje avós estragam netos, quero registrar a postura que eu desejo ter quando me tornar avó.

Olá, eu!

Parabéns por ter se/me tornado avó. Dizem que é melhor que  a maternidade. Será mesmo?

Só sei que as avós quebraram muito meu galho quando eu era apenas mãe: para sair, para trabalhar, para namorar, para fazer compras, para relaxar. Lembro-me que no começo uma delas aparecia aqui só para eu poder tomar um banho mais tranquila. Que isto sirva de exemplo para você/eu. Saiba ajudar sua filha, sua nora, mas sem ser incoveniente, sem avisar antes. Ser direta, dizendo que ser útil de alguma forma, mas sem forçar a barra dando uma de drama queen. O show deve ser do bebê e sua mãe. E você/eu, como avó, deve apenas auxiliar no backstage.

Falando sobre inconveniências, lembre-se de que o mundo gira, o tempo passa, as coisas mudam e assim a humanidade evolui. Muitas práticas com bebês e crianças mudam. É preciso aceitar aquilo que a filha/nora encara como melhor opção. Você pode apenas contar o que se fazia na sua/minha época, mas sem usar a expressão “eu acho melhor”. Aliás, a expressão “eu acho” só deverá ser utilizada se precedida da pergunta “o que eu faço?”. Caso contrário, elimine-a terminantemente de seu vocabulário, firmeza?

Outra coisa a ser eliminada é aquela máxima de que na casa da vó pode tudo. Pode tudo o caral…mba! Pode aquilo que sua filha/nora permitir. Se não pode doce, não pode doce. Aprenda a fazer lindos bichinhos de fruta. Se não pode dormir depois das 18h, é assim e ponto. Se não pode, não pode. Não vai avacalhar seu relacionamento com a filha/nora só para fazer os gostos de um neto. Isso gera birra.

E se a criança fizer manha ou birra, por favor, versão de mim mesma avó, ajude sua filha/nora a educar as crianças. Ceder só para não ver o netinho chorar vai fazer você se tornar uma sogra/mãe-mala. Lembre-se das vezes em que você deixou seus filhos com as avós e depois tinha que passar uns 3 dias ou mais para reeducá-los. Então, seja bacana, e ajude nessa tarefa árdua que é educar crianças. Nada de atrapalhar a dedicação de sua filha/nora, reiterando que avós estragam os netos.

Os presentes são para datas especiais. Entendo que a visita de um neto deva ser uma data especial de fato, mas sua presença já basta. Deixe os brinquedos para o aniversário e o Natal. Você deve se lembrar bem da montoeira de brinquedos que ficavam espalhados pela casa, enquanto na verdade as crianças brincavam com um ou outro. No fim, a grande maioria acabava indo para doação, não era?!

Por fim, não queira mudar a cabeça de sua filha/nora na frente das crianças. Você já educou, já fez sua parte, agora é a vez dos seus filhos. Desautorizar os pais na frente das crianças não é bacana, e você/eu se/me lembra bem de como isso prejudicava sua postura como mãe. No dia a dia é a mãe quem segura a bronca, você/eu, como avó, não vai vivenciar isso. Seu tempo de torcer o pepino pequeno já foi.

Então, cara eu mesma avó, seja legal, seja avó. Mas também não deixe de ser a mãe de seus filhos. Eles ainda precisam de você/mim para ajudá-los, de você/mim para dar a mão e continuar nessa caminhada lado a lado. Lembra de quando você/eu mesma dizia que a maternidade não é uma disputa? Então, se você/eu ficar dizendo que a filha/nora está fazendo tudo errado, significa que você/eu não ensinou corretamente o que deveria ter sido feito ao longo de todos esses anos. A culpa vai continuar sendo sua, como mãe. E sobre os ombros de quem mais a culpa, essa danadinha, iria se resvalar?

Ser avó é ser mãe duas vezes, portanto é sua nova chance de tentar acertar, com seus/meus filhos. Os netos são responsabilidade deles, a você/eu só cabe curtir e auxiliar quando solicitada. Você/eu é capaz de mostrar que esse negócio de que avós estragam netos é coisa do passado. Mesmo!

Um grande abraço

Eu mesma