amelia

Outro dia vieram me dizer que eu era meio Amélia. Confesso, fiquei ofendida.

Amélia é aquela mulher companheira, o real significado do “Tâmo junto”, a que faz jus ao na pobreza, na riqueza, na saúde e na doença, até que a morte os separe, amém!

Amélia é também aquela mulher que passa a mão na cabeça e diz que vai passar. A mais pura tradução de passividade. Eu não sou assim não, meu rapaz! Sou mulher que põe a mão na massa. Aprendi com meu pai, que é daquelas pessoas que gosta de atiçar a curiosidade e o orgulho alheio, provocando o autodidatismo. Na hora em que o bicho pega, ele não ajuda; ele fica do seu lado e solta: “Você não é quadrado, se vira, dá um jeito!”. E assim eu me constituí.  Comigo não tem essa de “Meu filho, o que se há de fazer?”. Sou mais como a vovó, que diz que pra tudo na vida tem um jeito, só não se dá jeito pra morte.

Ela também é daquelas pessoas zelosas, que cuidam bem dos seus. Com carinho e diligência, vão botando amor em tudo o que fazem para o outro: põe amor na comida, um carinho na cama arrumada, um carinho na roupa passada. Acho isso bonito. A maioria desses cuidados passa quase desapercebido por quem os recebe. Eu disse quase. É subliminar, fica gravado no seu insconsciente. Como cheiro de casa de mãe, a textura da colcha da cama da vó.

Mas o pior de tudo é a aparência da Amélia, sabe? Poxa, a moçoila não tinha a menor vaidade!!! PARA TUDO! Esculhambaram com a imagem da mulher dedicada. Quem disse que tem que andar de calça de moletom e camiseta furada em casa? Quem disse que a dona de casa não pode faxinar com uma roupa bonita? Eu mesma me arrumo para ficar em casa como se eu fosse para a academia: ponho uma roupa de ginástica moderna, nova, prendo os cabelo direitinho, passo um creminho perfumoso.

Amélia era mulher de verdade porque era um bagulho? Faça-me o favor!

Sou diiirce, com muito orgulho. Fico em casa sim! Lavo, passo, cozinho e lavo banheiro sim! Cuido das crianças sim! Fico no Feicebuque sim! Vou à manicure sim! Quero perfume importado sim! Quero ostentação doméstica sim!

No seu ambiente de trabalho você quer o melhor computador, a mesa com canetas bonitas, num escritório pomposo. Pois eu também quero! Os últimos modelos de eletrodomésticos, os produtos que menos agridem as mãos, quero toalhinha de crochê em cima do móvel, quero tapete de barbante na cozinha, quero tablet com suporte para poder seguir a receita.

“Aquilo sim é que era mulher!”

Mario, Ataulfo, vocês foram uns fofos, mas não conheceram mulheres com um lado diiirce.

Diiirce, isso sim é que é mulher!