15 perguntas que você precisar fazer à professora do seu filho na primeira reunião

15 perguntas para fazer à professora de seu filho na Reunião escolar

Aproveite a reunião de pais para conhecer melhor a pessoa que vai cuidar de seu filho durante o ano.

Volta às aulas: as professoras estão cheias de gás, as crianças estão eufóricas para retornar à escola e as mães vivem o misto de UHU que alegria com ai meu Deus que saudades o que eu faço com tanto tempo livre?

Se antes a preocupação era o que fazer com as crianças durante as férias, agora é a escola que a nova etapa que garante uns fios de cabelos mais claros na cabeça das mães. Ficamos apreensivas com a escolha da escola, com a nova turma, com os professores, com o lanche, com o trajeto.

É também época da reunião de pais, quando vamos conhecer a nova professora, as novas colegas de whatsapp e os novos desafios dos nossos filhos.

Na reunião sempre rola uma briguinha de egos, a professora querendo ser a mais exemplar do mundo… A gente sabe que no decorrer do ano a coisa anda numa outra passada. E com toda essa nova informação, a gente acaba se perdendo na hora de conversar com a professora.

A reunião gira em torno de conteúdo, apresentação, avaliação, rotinas, mas é sair da sala que bate uma certa dúvida.

As perguntas a seguir são uma base para as mães conhecerem melhor as professoras de seus filhos e garantirem que essa parceria beneficie a criança. Afinal, não existe escola perfeita. O que existe são pessoas com um objetivo em comum, que se falam, se comunicam e trocam aprendizados buscando criar bons cidadãos.

Veja agora quais as perguntas indispensáveis durante a reunião de pais que vai ajudar bastante a parceria escola-família.

Perguntas para se fazer numa reunião de pais

  1. Qual sua formação? A chave não é questionar o quão graduada a professora é (pois é conheço muitos professores só com faculdade que dão show em muitos doutores), mas verificar o interesses. Há formados em pedagogia, Letras, Matemática, Psicopedagogia, Psicologia… Com base na formação do professor, você terá pistas de como aquele profissional trabalha.
  2. Você já sabe alguma coisa sobre meu filho? Mais uma vez, a arrogância não tem lugar. Muitas vezes, coordenadores e professores anteriores se conversam sobre os alunos, falam das habilidades e dificuldades de cada um. Perguntar isso é uma maneira de verificar o que ela já sabe e acrescentar outras informações sobre seu filho que a professora ainda não saiba.
  3. Como será a rotina em sala? Se a pergunta já foi abordada durante a reunião de pais, não tem porque repetir. Geralmente os professores falam da rotina em sala, da hora de fazer agenda, do intervalo, da hora de brincar. Caso contrário, é crucial fazer essa pergunta. Isso dará uma infinidade de assunto para você poder conversar com seu filho ao longo do ano depois da aula, como “o que você fez depois de escrever a lição de casa?” ou “com quem você se sentou na atividade de ciências hoje?”. Veja outras perguntas aqui
  4. E se meu filho tiver alguma dificuldade com o conteúdo? É importante saber qual o plano de ação da professora em caso de dificuldade: reforço, apoio, atividade extra? Quais os passos? Sabendo isso, as surpresas ruins têm menos chance de acontecer.
  5. E se meu filho tiver alguma dificuldade comportamental? O mesmo vale para comportamento: alunas bagunceiros ou tímidos demais, alunos que desafiam, alunos que não prestam atenção… Durante a reunião de pais podemos saber mais sobre a postura do professor em casos que extrapolam os livros, e que são de responsabilidade da escola também, já que é o primeiro espaço social exclusivo da criança, longe da família. Pergunte, por exemplo, como a professora reage aos casos de bullying na sala.
  6. Você prefere reforçar os pontos fortes dos alunos ou trabalhar os pontos fracos deles? Mais uma dica de como o professor trabalha. Há quem foque apenas nas habilidades e há quem veja nas dificuldades um desafio de aprendizado. Depende de cada postura. Entender como o professor atua em sala é bom para que as famílias também encontrem formas de educar em casa.
  7. Quais as maiores barreiras que meu filho poderá encontrar neste ano? Cada ano traz seus desafios, e é na reunião de pais que descobrimos os tópicos principais. Isso ajuda na hora de escolher um livro novo, um passeio, uma viagem, e proporcionar em família momentos em que o conhecimento da criança será utilizado fora de sala de aula.
  8. Como os alunos serão avaliados? Sabemos que a vasta maioria das escola utiliza provas, mas nem só ela é o critério de avaliação. Trabalhos, presença, participação, comportamento, empenho… Veja com o professor de que maneria ele vai avaliar o aluno. Eu mesma sofria com provas de múltipla escolha. Sempre ia mal, embora fosse bastante estudiosa. Se estudasse numa escola que só avaliasse o aluno com provas tipo vestibular, certamente teria sido uma aluna com problemas de aprendizagem.
  9. Como eu posso auxiliar o desenvolvimento escolar em casa? Isso tem a ver bastante com o item 7. E também com a postura dos pais em casa: devemos ajudar no dever de casa? Devemos corrigir se estiver errado? O que fazer se a criança esqueceu a matéria?
  10. Que leituras, filmes e passeios enriqueceriam o aprendizado neste período? Ainda na mesma pista da pergunta 7 e 9, aqui você já pede a indicação. E essa é uma pergunta que merece ser feita em todos os bimestres, já que o planejamento sofre alterações.
  11. Como você lida com a tecnologia? Essa pergunta vai dar pistas de como esse professor tem se atualizado. Se ele não utilizar tecnologia, foge que é cilada, Bino! Se utilizar apenas para projetar partes de livros ou mostrar vídeos, essa professora está ainda lidando com a mudança. Agora se ela falar de multimídia, de pesquisas, de jogos e apps e de sala de aula 360º, pode apostar que é uma professora conectada. Aliás, você já a coluna do blog com várias dicas sobre tecnologias para as famílias: Conectados?
  12. Como você lida com a bagunça em sala de aula? Aqui também é uma boa hora de descobrir a postura da professora em sala. Se ela for mais autoritária, vai dizer que dá bronca, que coloca no pensamento (ainda tem gente que usa esse recurso). Se ela for mais reflexiva, vai dizer que vai fazer o aluno pensar sobre o fato e conversar com o colega e depois abordar o tema em sala.
  13. Você sabe como entrar em contato comigo? Não é só a questão da professora ter seus dados, mas mostrar-se aberta ao contato direto, disposta nessa parceria.
  14. Como podemos nos comunicar ao longo do ano? Complementando a questão anterior, é na reunião de pais que você vai descobrir a melhor maneira de conversar com a professora ao longo do ano. E converse! Via agenda, pessoalmente, informalmente… Quanto mais conversarem, mais seu filho tira proveito disso.
  15. Estou esquecendo de alguma outra informação importante? Para finalizar, deixe aberto o canal para que a professora também te procure. Mostre-se interessada no que ela tem para lhe dizer. Muitas vezes deixamos de acreditar na professora, mas é bom também pensar que nossos filhos agem diferentemente na escola. Por isso as professores conseguem dar conta de 30, enquanto você se descabela com 1 ou 2 filhos. Já fui professora, e sei que isso é fato, faz parte do amadurecimento da criança ter uma personalidade diferente longe dos pais.

Independentemente das perguntas, o importante nisso tudo é firmar uma comunicação eficiente entre pais e professores, entre escola e família. Todos precisam falar a mesma língua para que a educação deste pequeno cidadão. A consequência disso são crianças seguras, que buscam pela curiosidade natural de todas elas alimentar essa fome de saber com as pessoas em quem ela mais confia: a família e seus professores.

Deixe uma resposta