Temperos: guia completo de ervas e especiarias

temperos: guia completo de ervas e especiarias

 Experimentando novos temperos, eles podem mudar seu jeito de cozinhar. Confira como usar e como guardar.

Quem me conhece sabe que sou apaixona por temperos. Há muito tempo abandonei os temperos prontos, não só pela saúde (eles tem muito sal, conservantes e outras tranqueiras), mas porque anula a alquimia da cozinha (veja: A vida sem tablete). Parece que todos os pratos ficam com o mesmo gosto. Poder brincar com os temperos é divertido, e transforma o prato trivial numa nova receita.

Eu já contei aqui uma vez os  10 alimentos que não faltam no meu congelador, e hoje, a pedido da querida Gabs do Bossa Mãe, apresento um guia dos temperos que costumo ter (até porque é muita coisa e não dou conta de usar tudo sem que a validade vença), como uso e como conservá-los.

Não deixe de me contar nos comentários se você usa outra coisa, faz algo diferente ou guarda de uma outra maneira. É incrível o que podemos aprender com os temperos, e eu estou doida para aprender algo novo.

Guia Completo dos Temperos

Açafrão da terra ou Cúrcuma: O pozinho amarelinho vem sequinho no saquinho nos mercados. Ele é primo do gengibre, mas não é tão ardido. Guardo em potinhos e costumo utilizá-lo no arroz e em caldos de carne, frango ou legumes. O sabor não é muito acentuado, mas ele deixa as coisas bem amarelinhas.

Açafrão: Esse é aquele pistilo de flor, utilizado em paellas. É caro, mas a paella não tem o mesmo gosto sem ele. Vai bem com peixes e frutos do mar.

Alecrim: Gosto muito do alecrim fresco, dá para se ter em pequenas hortinhas. Na impossibilidade, você pode armazenar os galhinhos lavados em potes bem fechados na geladeira, ou congelá-lo. Dura uns 2 meses. Utilizo bastante em frangos e batatas, assados em geral, pães, aromatizo azeites e vinagres. Um dos meus favoritos.

Alho: Muito utilizado na cozinha brasileira, gosto do alho esmagado ou picado na hora. Guardo a cabeça na geladeira ou fruteira, e vou utilizando aos poucos. Esmago no esmagador com casca e tudo (a casca fica retida, e a mão não cheira a alho depois). Pode ser guardado também já moído com um pouco de sal na geladeira. Também há a versão desidratada, que ajuda bastante no dia a dia, principalmente para fazer o arroz branquinho – não precisa nem fritar.

Anis: Essa especiaria em forma de estrela tem um odor maravilhoso e bem marcante. Guardo em potinhos de tempero e a utilizo em doces e compotas, chás, vinho-quente. Dizem que vai bem com carne de porco e aves, mas nunca experimentei.

Baunilha: Esqueça aquela garrafinha que você guardava da geladeira. Baunilha mesmo é uma fava, de preço salgado, mas muito doce. Você abre a fava e raspa a pastinha preta dentro dela. Costumo guardar em vidrinhos e depois de raspada, deixo a casca da fava dentro do açúcar. A Patrícia do Comida Boa Muda Tudo me ensinou a pegar uma garrafinha de vodka ou uísque e colocar a fava aberta ali dentro e deixar curtir por uns 2 meses e utilizar as gotinhas nas receitas. Seu pudim de leite, seus bolos e até seu café com leite nunca mais serão os mesmos.

Bicarbonato de sódio: A Flávia do A Dica do Dia é capaz de fazer uma faxina geral na casa com esse ingrediente, mas ele também serve na cozinha como um substituto do fermento em pó ou para amenizar a acidez de um molho de tomate – embora eu ache que ele deixa um gosto metálico nas preparações.

Camomila: Além do chá com essa florzinha seca, a infusão forte pode aromatizar bolos e pudins. Guardo nos potinhos de temperos, mas também pode ser plantada na hortinha de casa.

Canela: Uma das especiarias mais famosas pode ser utilizada em pau ou em pó. Serve para bebidas, para caldos de carne e deixa um toque apimentado no seu café. Combina muito com maçã, banana e milho. Experimente quiemar o pó numa panelinha: deixa um odor maravilho pela casa, como um incenso, ideal para tirar cheiro de peixe ou fritura do ar.

Cardamomo: Essa baga deve ser aberta e seus grãos esmagados. A especiaria dá um toque a pratos doces, compotas, geleias, cremes e pudins, mas o melhor uso é no café. Nunca testei com pratos salgados, mas quem sabe utilizá-lo diz que fica ótimo. Guarde-o em potes de tempero.

Cebola: Como viver sem essa queridinha. Ela pode ser o tempero, o acompanhamento e até o prato principal. Guardo na geladeira ou fruteira. Mas depois de picada, com sal e azeite, pode ficar na geladeira num pote por uma semana. Se adicionar alho e salsa a essa mistura você já tem um tempero pronto que pode facilitar sua vida na cozinha.

Cebolinha: Ela pode estar numa hortinha e ser colhida fresca, pode ser mantida na geladeira por alguns dias, pode estar desidratada em potinhos, mas a maneira que prefiro armazená-la é picada, num potinho no freezer. Ao colocá-la nos pratos é quase como fresca picada na hora. Vai bem na finalização de quase todos os pratos salgados.

Cheiro-verde: É a combinação da cebolinha e da salsa. Uso da mesma forma que a cebolinha.

Chimichurri: É uma mistura de temperos sulamericana ideal para marinar carnes. É vendido desidratado, mas gosto muito de uma versão em conserva da Hemmer. Se não encontrar, coloque o tempero desidratado num pote, cubra com azeite e deixe curtir. Sirva em churrascos ou sobre carnes assadas.

Coentro (semente ou pó): Vai bem com carnes no geral, aves, peixes, caldos, feijão. Não é um tempero que faz a minha cabeça, mas serve para variar os sabores da cozinha. Seu sabor não tem nada a ver com a folha.

Coentro (erva): Muito semelhante à salsinha, é fundamental no ceviche, guacamole, muda o gosto do feijão, de peixes, moquecas, caldos em geral. Tem um sabor muito marcante, então ou as pessoas amam ou odeiam. Eu sou do time do amor, mas só consigo utilizá-lo fresco. Guardo limpo, inteiro, num pote na geladeira por uma semana, se não der para ter na horta. Congelado ele dura por 1 mês, depois disso perde o sabor.

Colorau: Ou colorífico, é feito da semente de urucum. Seu sabor é quase imperceptível, mas ele dá um tom bem avermelhado às preparações salgadas, como carnes, molhos, caldos, arroz e farofa. Guarde o pó em potinhos.

Cominho: Esse pó eu uso em carnes, no feijão, na lentilha, na ervilha. Tem um sabor marcante e deve ser usado com moderação, pois um pouquinho a mais pode arruinar sua receita.

Cravo: Outro queridinho e versátil. A especiaria combina com bebidas, compotas, doces, mas também aromatiza caldos de carnes e de legumes. A festa junina perde a graça sem ele, esse parceiro da canela, que pode dar um toque diferente se colocado na água do café.

Curry: Uma mistura em pó indiana que combina com legumes, ovos, aves, carne de porco, peixes e ensopados. É picante, bem marcante e deixa tudo num amarelo vibrante. A batata assada vira um novo prato, e o omelete sem graça ganha ares orientais. Guarde o pó em potinhos de tempero. Vale investir numa marca importada, como Bombay ou em alguma conveniência oriental. Dá para se notar a diferença.

Dill: Também conhecido por Endro ou Aneto. É muito comum na cozinha escandinava, e combina muito com batatas, salmão e carne vermelha. Aquele bife do dia a dia ganha uma nova cara com esse tempero e sal apenas. Guardo em potinho de tempero ou congelado. Não é fácil de ser encontrado, geralmente acho no mercadão de SP.

Erva-doce: Você deve utilizá-la em chás na tradicional bolo de fubá, mas saiba que ela combina muito com linguiças e salsichas. Eu frito a calabresa e polvilho erva-doce, ou sirvo com mostarda para acompanhar um salsichão. Guarde em pote de tempero.

Ervas Finas: Alecrim, tomilho, manjericão, salsa, orégano e estragão compõem esse mix que serve para finalizar molhos, carnes, pães, massas e até saladas. A mistura é vendida pronta, mas você pode preparar o mix com as ervas desidratadas e guardar num potinho de tempero.

Ervas de Provence: Essa mistura é feita de tomilho, salsa, cebolinha e estragão. Pode dar vida à maionese para lanches, incrementar o molho branco, ser misturada ao alho e azeite e acompanhar carnes do churrasco, pode transformar uma omelete num prato principal. Deve ser utilizada sempre ao fim do preparo.

Estragão: O molho Béarnaise não é o mesmo sem essa erva. Serve também para aromatizar o vinagre e dar vida ao molho tártaro. Muda a cara da salada e até da maionese de domingo. Não é fácil de encontrar, mas uma garimpada nos mercados grandes resolve. Guarde no potinho de tempero. A erva fresca eu nunca vi.

Confira aqui a segunda parte do GUIA. E aproveite e se inscreva no blog e não perca mais nenhum post.

Assine diiirce

Seja o primeiro a saber quando um post novo vai ao ar

 

 

8 comments

  1. Qual sua dica para o tempero em pó não grudar ou empelotar no potinho.

    • Fechar direitinho ou colocar num potinho para tempero e manter em lugar seco e arejado. E depois de aberto, o tempero dura uns 2 meses, no máximo.

    • Eu gosto de pegar
      1 pacote de oregano
      3 pacote de alecrim
      3 pacote chimichuri
      3 pacote de ervas finas
      3 nos nos cada
      1 pacote de pimenta calabresa
      E as vezes coloco 1 colher de canela em pó. Triturou tudo é armazenou em vidros.
      Uso em mas as é carnes. Na carne moída então é show fica maravilhoso o sabor para salgados e panquecas.

  2. Diiiiiiiiirce eu TE AMO! Exagerei no i eu sei. Mas por favor como vc empana a carne ou frango?? Obrigada e bjos

  3. Tenho usado vinagrete, vai bem com frango, carne ou peixe.

  4. Zatar, cominho, coentro em grão, sálvia, manjerona,lemon pepper, amo tempero!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: