Tchau! Estou indo para a Inglaterra

choro

Isso não tem nada a ver com a chegada do bebê real.

Foi num daqueles momentos em que o pé do filho bateu forte no chão e seu beiço se projetou num momento de muita raiva.

Não estou aqui contando causos de adolescência – a não ser que ela tenha início por volta dos quatro anos.

Tudo começou com um “agora não” qualquer dito por mim.

A resposta veio como uma lâmina afiada em meu coração:

– Quando eu crescer, eu vou embora e vou morar em outra casa!

– Ah, é!? E você vai para onde?

– Eu vou bem longe, lá para a Inglaterra!!!

– E vai morar com quem?

– Sozinho!

– E quem vai cuidar de você?

– Eu vou ser grande!

– E quem vai fazer sua comida? – pergunto, jurando que ele iria arregar

– Eu vou cozinhar. Já sei fazer muitas coisas… Bolo, escondidinho, lanchinho…

– Muito bem! E quem vai limpar toda sua bagunça? – Agora ele desiste da ideia louca de ir morar fora!!!

– Eu. Porque lá na Inglaterra tem muitas coisas que ajudam a limpar a casa – Meu Deus, de onde esse menino tira essas conclusões tão verdadeiras???

– Tá! E como você vai ver o jogo do Tricolor?

– Mãe, lá tem televisão – Só faltou emendar um dããããr ao final.

– Eu sei, mas lá só passa jogo de times da Inglaterra.

– Eu vejo o jogo do Chelsea! – minha mãe me paga por ficar ensinando coisas de futebol pra ele!

– E como você vai para lá, criatura?

– De avião, depois eu pego meu carro, ando um pouco e chego na espaçonave – Meu, a Inglaterra é muito mais longe do que eu imaginava. Sério. Tô mals…

Nesse momento deprimente, eu assumo meu lado anglo-saxão, respiro, tomo um chá das cinco.

Não consigo responder à altura. Fico muda e espero o assunto mudar.

Mas esse assunto ainda está entalado. Como assim, meu menino tomando essas decisões tão difíceis da vida no auge de seus quatro anos?

– Filho, me responde uma coisa: o que é você vai fazer na Inglaterra? – com os olhos marejados, ameaçando abanar o lencinho branco na porta de casa

– Vou fazer tudo… TU-DO o que eu quiser.

Agora é assim: contrariou, ele diz que vai embora para a Inglaterra. Esse negócio de fugir para a casa da vovó é para os fracos.

Assim, termino este post, arrumando as malas e as caixas. Porque se ele está tão decidido a ir para a Inglaterra, eu vou ter que mudar para o mesmo bairro, para cuidar das coisinhas dele, né?

#partiuHeathrowAirport

Check Also

atividade para controlar o uso de eletrônicos

Uso de eletrônicos controlado: atividade incrível para crianças

Como limitar o uso de eletrônicos das crianças que amam brincar com tablets e smartphones Quando a …

2 comments

  1. Inaiá Barbosa

    Amei! Mas vou mantê-lo longe dos meus, pra não "dá idéia" kkkkkkkkkkkk.

  2. Inaiá Barbosa

    Amei! Mas vou mantê-lo longe dos meus, pra não "dá idéia" kkkkkkkkkkkk.

Deixe uma resposta