Guia definitivo de como se tornar a pior mãe do mundo

Guia definitivo da Pior mãe do mundoSer mãe não é fácil, mas podemos ficar ainda pior seguindo esses simples passos.

Todos os anos, a gente bota na lista das nossas resoluções de ano novo que quer ser uma mãe melhor, mais paciente, mais alegre, mais melhor do mundo (como diriam nossos bebês). De fato, todos os dias a gente deita nossa cabeça no travesseiro, depois de um dia puxado em que a gente tentou equilibrar todos os pratinhos da vida (e derrubou alguns) e fica elaborando estratégias de como poderíamos ser melhor e dar conta de tudo. Deveríamos estar descansando, dormindo, lendo um livro, mas estamos refazendo a lista de pendências e afazeres. Até que adormecemos contando problemas como se fossem carneirinhos.

E eu me peguei chorando outro dia, exausta, porque queria ser melhor, mas não consigo. Essas coisas que acontecem com a gente depois que algo não sai do jeito que planejávamos. Mais calma, depois, comecei a pensar em como me tornar a pior mãe do mundo.

Pensa aí, você, com sua xícara de café, o que você poderia fazer para ser a pior mãe de todos os tempos!

A pior mãe do mundo

Para começar, a pior mãe do mundo não pensa. Ela faz e não avalia o que fez para saber se está bom, se poderia melhorar. Ela simplesmente faz.

Aliás, mãe ruim que é mãe ruim nem faz, né? E não é que não faz porque está sem tempo e delega para alguém de confiança. A pior mãe da face da Terra não faz porque não faz.

“Mas tem mãe que não faz porque não sabe, porque não tem a informação”. Estas mães estão perdoadas, afinal de contas, elas não sabiam. Mas serão condenadas pelo tribunal das mães perfeitas as que souberem e deixarem para lá. 

E há tanta informação, que é difícil selecionar as escolhas adequadas para a pior mãe. Por exemplo, entre cesárea e parto normal, você diria que a pior mãe optaria pela cesárea agendada. Mas posso garantir que a pior mãe é aquela que não está nem aí para o nascimento do bebê, ela só quer tirar aquele alien de dentro dela. A pior mãe do mundo não vai amamentar. Ela tira o leite do peito, joga pelo ralo e dá leite de caixinha para o recém-nascido. Ops! A pior mãe nem alimenta o bebê. Ela só entucha algo na boca da criança porque não aguenta mais tanto choro.

Para pior mãe não existe certo e errado, por ela simplesmente não quer saber do filho.

“Pode ser depressão pós-parto!”

Aquela sensação que as mulheres com depressão pós-parto descrevem está bem distante da pior mãe do mundo. A mãe em depressão se sente mal, não está confortável com a situação. A pior mãe do mundo não está nem aí.

A pior mãe do mundo nunca se apoderou do ser mãe, nem quando grávida, nem depois que o bebê nasceu. Ela nunca contou com ninguém, ela nunca disse ao pai que ele teria um filho. Ela nunca dividiu com ninguém. Apenas abandonou ou maltratou seu filho.

Essa pior mãe que existe na verdade é uma vítima: vítima de maus cuidados, de falta de informação, vítima da falta de estudo e de oportunidade, vítima de preconceito.

Por mais que a julgamos a pior mãe do mundo, ela ainda ganha a reputação de vítima. Se analisarmos bem, ela não pode ser a pior mãe, porque, se ela está nessas condições, foi porque alguém foi pior com ela. E a roda gira, e a gente chega à teoria do buraco da minhoca em que não conseguimos dizer se foi a galinha ou o ovo que nasceu primeiro.

A pior mãe do mundo não existe

A pior mãe do mundo não existe. Por mais negligente e relapsa que a mulher seja, ela nunca será a pior.

E ainda se ela maltratar ou ferir seus filhos, ela pode até ser uma mãe ruim, doente. Mas não será a pior, pois é vítima de algum mau trato anterior ou de psicoses.

Da mesma maneira, a melhor mãe do mundo também não existe. Pois mães são seres humanos, imperfeitos, em constante aprendizagem. Por mais exemplares que sejam, mais dedicadas e informadas, nunca serão perfeitas. Elas vão se dedicar 100% aos filhos, mas estarão ressentidas porque ainda existe uma mulher com seus próprios anseios naquela mãe. 

Por mais que nos desdobremos para fazer o melhor à nossa família, vamos deitar a cabeça exausta de mãe no nosso travesseiro à noite e pensar em como faremos para ser melhores amanhã. As piores mães não pensam em como ser piores, muito menos melhores. Elas simplesmente não são mães!

Depois de pensar muito sobre ser melhor, essa noite, vou fazer diferente: quando me deitar, vou pensar no que eu teria que fazer para ser a pior mãe do mundo amanhã. Certamente vou perceber que meu perfil de mãe está beeeem longe disso.

 

 

Deixe uma resposta