Por que eu não gosto de brincar com meu filho?

Por que não gosto de brincar com meu filho?
Freepik

“Não gosto de brincar” é uma queixa muito comum entre as mães

Quantas coisas já ouvimos, lemos e vimos sobre a importância do vínculo entre mãe e filho. Do desejo de engravidar aos momentos de brincadeira, é fato que entendemos a importância do nosso papel para criar um relacionamento sadio na família. E uma queixa que percebi ao longo desses anos de blog é que as mães fazem de tudo pelos filhos: doam o corpo, perdem noites de sono amamentando, fazem massagem, cantam, mas há uma grande parte que não tem paciência para brincar com a criança. E aí? Será que nossos filhos terão o desenvolvimento afetado?

O que é brincar?

Brincar envolve diversão: seu filho adora brincar de carrinho, mas você não tem saco de se sentar e ficar fazendo aquilo.

Brincar envolve entretenimento: seu bebê passa horas mexendo nas mãozinhas, e você não entende como aquilo pode ser legal e nem encontra seu lugar naquele momento de brincadeira.

Brincar envolve imaginação: nossos filhos “viajam” nas suas representações, mas a gente com a cabeça lotada não consegue parar para se colocar no lugar de princesa.

Brincar envolve criatividade: e você não tem um pingo de habilidade para nada.

E aí você tem vontade de se autoflagelar pisando nos Legos. Sente-se a pior mãe do mãe do mundo porque não tem paciência para brincar.

Para aí, e vai pegar uma xícara de café pra gente conversar.

Tudo bem não brincar com seu filho!

Primeiramente fora Temer, brincar não deve ser obrigação. Se você não está afim, não está e ponto. Brincar sem querer é um porre. E seu filho não vai sentir de você o envolvimento que ele precisa para este momento. Então apenas, NÃO!

Depois, o vínculo entre vocês pode ser construído de diversas outras maneiras que não brincar: no banho, na hora das refeições, num passeio, numa música… Para criar vínculo basta você ESTAR PRESENTE naquele momento com seu filho. Deixar seus 5 sentidos vivenciarem aquela oportunidade.

Pronto, relaxa! Tá tudo bem. Agora vamos falar do brincar.

Estar presente é importante

Brincar é importante porque é um momento em que a criança dá a regra. É ali que a gente é convidado a entrar no mundinho dela. Podemos ensinar, mudar uma coisa ou outra, proteger, mas a criança é quem dirige aquele espetáculo. E isso é bom para ela por um milhão de motivos.

Não sei brincar com meu filho - não tenho paciência para brincar

– Ah! Mas não tenho saco!

Ok! Nenhuma mãe tem saco, fisiologicamente falando. Ou tem? Vixe, agora deu um nó na minha cabeça com essa parada de discussão de gênero. Mas volta o foco: Você não tem paciência de brincar do quê?

Será que você não brinca mesmo com seu filho?

Não tem vontade de interagir com seu bebê? Conte uma história.

Não sabe ler histórias com emoção? Leve para dar uma volta na rua e vá narrando o passeio.

Não tem tempo de dar uma volta? Chame seu filho para ajudar na cozinha.

Não quer bagunça na cozinha? Que tal tomarmos banho juntos?

O banho gasta água? Peça para seu filho passar creme nas suas pernas.

Seu creme é caro? Convide-o a limpar a casa com você com um pano e um borrifador de água.

Seu filho ainda é pequeno? Deite-se na mesma posição dele e converse sobre o que estão vendo.

Tá na pressa? Lembre-se de algo que você fazia na sua infância e conte.

Seu filho não quer saber de você? Descubra algo que você goste da vida dele e demonstre isso.

Tudo é brincadeira!

Perceba que em nenhuma das ideias eu utilizei a palavra brinquedo. Brincar não exige brinquedo.

Não esse que a gente tem em mente. Para a criança, qualquer coisa vira brinquedo. Seu cabelo, suas mãos, sua roupa, os potes plásticos, o chão da sala…

Se você não tem criatividade, tudo bem? As crianças têm de sobra.

A única coisa de que você precisa é de tempo dedicado exclusivamente a seu filho. Só.

Pode ser um dia inteiro ou 5 minutos. 

Tempo para descobrir alguma coisa que te divirta com seu filho. Pode ser um jogo, massinha, lápis de cor, um app, uma música, uma brincadeira. Mas VOCÊ precisa se divertir nesse momento. Resgatar aquela criança que cresceu e virou uma mulher de testa franzida.

Por que eu não tenho paciência para brincar?

Você tem! Só precisa descobrir o que você gosta de fazer para tornar aquilo divertido. De repente você até brinca mais com seu filho do que imaginava, e estava se culpando por não brincar de determinada coisa.

Com o tempo e os cinco sentidos dedicado a seu filho, você descobre a brincadeira favorita entre vocês.

Eu sei que tempo é o bem mais caro atualmente. E é justamente por isso que você precisa dele.

Mas mais precioso que seu tempo só seu filho!

Check Also

Como fazer dedoches: modelos para fazer em casa

Como Fazer Dedoches: modelos para fazer com seu filho

Inspirações e lindos modelos de como fazer dedoches: uma atividade que seus filhos vão amar …

11 comments

  1. Minha filha gosta q brinco de boneca c ela, acho entediante. Ela está c 4 anos, uma brincadeira q tem dado efeito é pegar uma história não adequada pra idade dela e explicar, ela não entende muito mas acha divertido, por exemplo, na última contei que somos mamíferos, e fui falando de outros animais que também são.

  2. Nossa obrigada, tirou um peso das minhas costas, quer dizer parte dele né, afinal nós mães sempre arrumamos algo para nos sentimos culpadas, rsrs. Mas agradeço msm 🙂

  3. Nem mais.😊
    Concordo a 100% com o que escreveram.ha dias e dias para todos até para a criançada.
    Mas também há aquelas que não foram feitas para serem mães. Que filhos… Foram um acidente de percurso. 😤

  4. Tenho habilidade pra nada gente, como é difícil brincar! Com tantos desafios da maternidade, não imaginava que esse seria uma das minhas maiores dificuldades, estou o tempo todo preocupada se estou fazendo a coisa certa, se a brincadeira está adequada, se ela está se divertindo, se está segura. E sabemos que uma mente cheia dessas não brinca direito. Morro de medo da minha filha não gostar de mim por isso. Obrigada pelo artigo, é sempre um alívio saber que tem mais gente no mesmo barco que o nosso.

  5. “Se você não está afim, não está e ponto. Brincar sem querer é um porre. E seu filho não vai sentir de você o envolvimento que ele precisa para este momento. Então apenas, NÃO!”

    Ah, sério? Poxa, essa postagem deve ter dado um trabalhão…

  6. Que alivio ler esse texto. EU faço várias coisas que você sitou como brincadeira (leitura, filme, contar história, brincar de “uma palavra e uma musica”, jogos de tabuleiro, karaoke…), mas não tenho muita paciência pra brincar de boneca. Adorei!

  7. oi Dirce! adorei seu post, que me deu várias idéas para brincar com o meu filho de formas diferenciadas. bjs. http://superandoopreconseito.blogspot.com

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: