Mentirosa é a mãe! – “A mamãe tá ocupada”

ocupada

A gente sempre acha que nunca tem tempo para nada. Até ter filhos, se desdobrar em diversas facetas para dar conta da vida, e continuar com aquele papo de que não dá tempo de nada.

Há uns 10 anos, quando ainda nem sonhava em ter filhos, eu trabalhava, ia para a faculdade, não tinha empregada, cuidava da casa, da comida, da roupa. Tinha tempo de sair com os amigos, de tomar um banho relaxante, de dormir depois do almoço de domingo. Fazia todas essas coisas que a gente faz quando não tem filho, essas que a gente não dá a mínima, mas que viram um daqueles pequenos prazeres pós-maternidade.

Então engravidamos. E o conselho mais recorrente é aquele tal de “aproveita para dormir”. Como se fosse fácil dormir com aquela barriga desengonçada, com o peso comprimindo o pulmão, com os sonhos excêntricos, com a insônia tensional pré-parto. As pessoas saem nos recomendando descanso, tantas horas de sono, mas todos se esquecem de que nem sempre é fácil dormir quando estamos naquela transição de “pessoas ocupadas” para “mães obcecadas em preencher todo e qualquer segundo com uma atividade”.

Ainda me questiono se isso é mal da nossa década ou se é inerente à maternidade, mas temos que nos manter ocupadas. O bebê brinca, e a gente corre cuidar do almoço. Uma mamada, uma fralda, outro cochilo, e lá vamos nós cuidar do outro filho, do marido, da casa, do trabalho. Nessas, quase nos esquecemos de fazer xixi ou de tomar banho. Ouso dizer que até quando o recém-nascido dorme durante o dia, e a mãe resolve dar aquela cochilada, ela também está ocupada, já que, muitas vezes, ela se obriga a deitar um pouco em prol de uma madrugada mais sã, de peitos fartos de leite, de mais energia para cuidar do bebê.

E se tal comprometimento é coisa da maternidade, como será que as mães de antigamente faziam, sem as facilidades da máquina de lavar, do ferro a vapor, do carro, do microondas, do delivery, da geladeira, do chuveiro elétrico, das fraldas descartáveis? Certamente os avanços tecnológicos foram facilitando a vida da mulher, e, ao invés de descansar, de ter um tempo livre, curtir a ociosidade, ela resolveu ir arrumando novos afazeres, como acompanhar um noticiário pela TV, programar e cuidar de suas geringonças que facilitam a vida no lar, checar seus e-mails, ver suas notificações nas redes sociais – tem umas até que inventam de manter blogs, veja bem!!!

Agora, o que ninguém sabe, e isso é tipo um segredo entre o clã das mães, coisa de maçonaria, é que as mães têm sim seus pequenos momentos de ócio. Mas ninguém, absolutamente ninguém, pode saber, se não a reputação materna vai para o ralo, e nos tornamos reles mortais. Mãe que é mãe rala… mói, tritura! Tem que ser mãe 24 horas por dia 7 dias por semana, estar disponível e fazer tudo o que se espera de uma grande heroína polivalente.

É preciso ter um descanso físico e psicológico para não entrarmos na paranoia – ou seria maternoia?. E a mentira precisa entrar nesse jogo para sermos respeitadas. Necessitamos nos trancar no banheiro e fingir estarmos ocupada em nossas necessidades evacuatórias, quando na verdade estamos apenas lendo nossa revista favorita. O simples ato de segurar um papel e caneta na mão já é suficiente para atestar nossa não-disponibilidade, ainda que estejamos apenas pensando na morte da bezerra. Pode-se até chegar ao ponto de agarrar uma vassoura e varrer o chão, quando na verdade só queremos um pouco de paz. Manter nossos hobbies, colocar as pernas para cima, tudo isso deve ganhar nova nomenclatura. Não podemos deixar cair a peteca e turvar nossa estirpe de progenitoras. Toda e qualquer forma de distração deverá ser considerada ocupação.

Então, quando ecoar por aí a voz de um filho chamando seu nome, bem naquela hora em que a a discussão no grupo do Facebook estiver tão interessante, não hesite em fingidamente transformar seu momento de distração numa coisa muito importante que não pode ser adiada:

“A mamãe tá ocupada!”

 

Este post faz parte da série “ Mentirosa é a mãe!”. Acompanhe.

223803_484188681600652_1201632640_n

Check Also

dia especial

Era para ser um dia comum, mas hoje é um dia especial!

Qualquer dia pode ser um dia especial se apenas prestarmos atenção aos pequenos detalhes, sem …

10 comments

  1. Me sinto ´normal´ quando leio os seus posts… e isso é muito bom!

  2. Fantástico, Milene! Nesse exato momento vivendo um instante de “mamãe tá ocupada” hahahaha! Mas vamos combinar, esses minutinhos só nossos são essenciais para nossa sobrevivência. Desde que tive o segundo filho sinto muuuita falta de ter mais desses momentos, tem dias que não consigo nem sentar quanto mais sentar à frente do computador…

  3. É o seguinte: a mamãe está ocupada!
    Adorei Milene Massucato.

  4. Banheiro é meu lugar feliz… hehe

  5. hahaha Adorei!!!! Alias, estou muito ocupada lendo seu blog!!!!

  6. Heroina Polivalente?? Kkkk..Deus me livre!

  7. Heroina polivalente? Kkkkk…Deus me livre.

Deixe uma resposta