Maternidade: quando somos vítimas dos nossos preconceitos

maternidade: preconceito

A maternidade perfeita não existe!

Quem já atravessou a ponte sabe que a maternidade esfrega, todos os dias, uma torta de lixa na nossa cara.

Aquilo que idealizávamos, não passa de algo que será desconstruído enquanto tentamos, feito bichinhos que amam, controlar o incontrolável.

Dia desses, vendo meu filho escutar algo de um colega que furou minha alma, e tem que ter muita maturidade para respeitar o que os outros pensam, entendi que somos vítimas de nossos próprios preconceitos.

E por isso, estamos transformando a maternidade em algo monstruoso (veja o guia da pior mãe do mundo), fazendo sofrer quem não deve, deixando de apoiar as mães que mais precisam. Enfraquecendo o movimento que é responsável pela beleza do mundo.

Para entender um pouco melhor o que estou falando, criei uma pequena lista, na qual nos baseamos, para nos sentirmos encaixados em uma sociedade que está pra lá de meia boca.

 

1.Meu filho tem que ser o melhor da classe

Que mãe não tem orgulho de ver o rebento sendo o primeiro da classe? Se essa é uma característica da criança, vale incentivar. Mas se não é, e vira uma imposição das “brabas” para que os pais se exibam, fuja, é uma cilada emocional para todos, Bino.

2. Lute e acabe com seus oponentes

Certa vez, meu filho participou de um campeonato de judô. Teve uma parte maravilhosa de ver as crianças se apoiando e uma bem triste (e ridícula): ver os pais dos pequenos gritando para que eles derrubassem o oponente. Sério, me deu vergonha. Ok, é um esporte, tudo bem para a competitividade. Mas via-se ali um desespero em se vangloriar em nome do filho. Apenas pare. A diiirce contou como um cadeirante emocionou pais e crianças numa corrida de rua.

 

3. Definir a profissão do filho desde pequeno

Muita gente não se deu conta de que existem no mundo milhares de profissões que foram desprezadas e que hoje estão na crista da onda. Os “cozinheiros” são exemplos clássicos disso. Mas quem quer respeitar e esperar para ver onde a criança vai parar? Quem apoia a verdadeira vocação dos filhos? Médicos nascem todos os dias, mas apenas uma parte se destaca, aliás, como em tudo na vida. E onda agora é ter filho YouTuber, né?

 

4. Essa criança é atentada

As vezes você olha a criança aprontando, desbravando, testando os limites. O que é que a gente pensa? “Tem rédea em casa, não”. Vale destacar que existem 2 cenários, em um deles a criança sofre em casa e desconta tudo nos outros (precisamos ajudar nessas situações, não?). Na outra, pode ser uma criatura curiosa e que faz parte de um outro perfil de pessoas. Einstein sempre foi considerado um problema. Não que nossos filhos sejam um, mas a inquietação abre caminho para importantes descobertas.

 

Pra fechar…

Esses são apenas alguns dos exemplos de projeções sem sentido que fazemos sempre e das quais somos as próprias vítimas. Queremos que nossos filhos deem certo, mas, no desespero, adotamos medidas que provocam sofrimentos e frustrações. Veja se parte da sua infelicidade não está atrelada ao que desejaria x realidade e seja mais flexível. É bom pra você, para o seu filho e para o mundo.

Beijos

Fabi Deziderio escreve essa coluna Desembucha, para falar umas verdades sobre a vida de um jeito muito engraçado. Aliás, engraçado mesmo é o livro dela. “A não tão gloriosa vida de Glória” é uma daquelas leituras leves e engraçadas, que você lê numa tarde, mas não quer que acabe nunca!

E quem tem Kindle Unlimited (a Netflix dos livros) lê de graça!

 

One comment

  1. Uma sobrinha queria ser cabeleireira ou costureira. A outra, historiadora. Nenhuma recebeu apoio em casa porque, né, cabeleireira não é o mesmo que médico. Historiadora, então, vai fazer o quê neste país, né?! E o filho de uma amiga queria ser jogador de futebol. Claro que não recebeu apoio porque jogador de futebol só é quem nasce pobre. Imagine se o garoto filho do “andar de cima” vai ser apenas um jogador de futebol…
    Adorei o post.
    Meu texto contém ironia. Nesses tempos estranhos, achei por bem deixar isso claro.
    bjs

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: