Internet do Bem: Um simples atitude para fazer agora mesmo

Internet do bem - Dia da Internet Segura

Você compartilha o bem pela web?

Não é fácil gravar vídeos para o YouTube. Tenho meu canal há 1 ano, ele ainda engatinha. De verdade, eu tenho muita dificuldade em gravar com qualidade e fazer uma edição bacana. Por isso, demoro para colocar vídeos no ar. É suado. Perco um dia gravando e outro editando. Deixo muita coisa de lado para fazer isso. Deixo inclusive meus filhos brincando pela casa, faço qualquer coisa de comida só para conseguir fazer um vídeo que, quando pronto, nunca fica bem do jeito que eu queria – mas foi o que fui capaz de fazer.

Um dia vi que chegou um comentário novo naquele vídeo que tinha me dedicado tanto a fazer. Larguei a panela de arroz no fogo e fui correndo ver a opinião de um seguidor (aliás, o trabalho aqui no blog e nas redes não faz o menor sentido sem os seguidores).

“Que desserviço! Um lixo!”.

Era uma desconhecida. E eu não deveria ligar para aquele comentário.

Mas eu liguei.

Eu tinha penado muito para fazer aquele vídeo e queria que as pessoas o valorizassem. Afinal, é para isso que a gente se expõe. Mas recebi uma crítica dura, infundada, porém dura.

O que um comentário pode causar

Fiquei mal por alguns dias, me sentindo péssima. Até que resolvi apagar o comentário, com medo que mais alguém desse sua opinião negativa e aquilo virasse uma bola de neve. Pois é o que acontece na web: quando os primeiros comentários são positivos, a tendência é dos demais serem positivos também. Mas quando os primeiros são negativos, a tendência é de vir um discurso de ódio em cima de falta de empatia. Não importa o assunto.

Amarelei. Porque críticas me fazem bem. Gosto delas. Eu não gosto é de depreciação.

Há dias em que estou bem comigo mesma e nem dou a mínima para este tipo de comentário.

Mas há dias em que estou mais sensível, e este tipo de comentário me dão vontade de parar com tudo – blog, canal, redes sociais. Qual o sentido de se expor a esse tipo de menosprezo? Imagine o que rola com as crianças que já tem canal e redes sociais?

Dia da Internet Segura

Ontem, dia 6 de fevereiro, o mundo todo se conscientizou sobre o uso consciente da Internet com o Dia da Internet Segura (Safe Internet Day – #SID2018). O mote desse ano é “Crie, Conecte, Compartilhe RESPEITO”.

Organizado pela Safernet (uma associação que promove e defende os Direitos Humanos na Internet no Brasil), o evento mostrou as diversas frentes em que podemos atuar para promover uma internet do bem, onde as pessoas respeitam a diversidade do ser humano e toleram as opiniões divergentes.

Há anos acompanho o trabalhos deles e até me tornei parceira da Nethics (uma instituição referência em educação e cidadania digital) justamente por acreditar que as pessoas ainda acham que a internet é terra de ninguém e que o distanciamento da tela coíbe nossa culpa.

O Marco Civil da Internet está aí para garantir a ordem, mas as pessoas precisam ser educadas para saber lidar com a tecnologia e os espaços digitais.

Não é porque eu não conheço a pessoa que eu posso falar o que quiser sobre ela, sem pensar no impacto que minhas palavras ou ações terão sobre a vida daquela pessoa. Eu já falei sobre essa intolerância entre mães que rola nos grupos internet  fora.

A internet é um canal com infinitas ferramentas. Mas atrás de cada uma delas existem pessoas de carne e osso e, acima de tudo, coração.

Internet do Bem

Por isso eu tenho um desafio para vocês que me seguem:

Assim que terminarem de ler este post, corram para qualquer uma de suas redes sociais e deixem um comentário positivo em qualquer publicação. Se quiser fazer mais de um, ainda melhor!

Uma mensagem otimista, um elogio, um agradecimento. Espalhe o bem!

E faça disso um exercício diário!

É como sorrir para quem entra no elevador com você ou cumprimentar o porteiro do seu prédio. É como abraçar um amigo que está precisando. E, como eu disse, a tendência é os próximos usuários imitarem seu padrão.

E assim você pode fazer a diferença na vida de alguém, pelo menos por hoje, por agora!

Espalhe uma internet do bem e #CompartilheRespeito!

Deixe uma resposta