Maria vai com as outras mães

Eu não ia me manifestar, mas agora eu vou!

Sou daquelas mães que ficam 2 meses em casa, até o bebê tomar as vacinas, que evita lugares barulhentos com o bebê, tipo shopping e mercado. Daquelas que acreditam que amamentar é um ato de amor e que deve ser feito num ambiente tranquilo, com filho e mãe calmos. Nunca consegui amamentar com muita gente em volta e sempre ajeitava meus compromissos de forma que na hora de mamar eu já estava em casa. Por isso não aderi ao mamaço virtual.

Mas também não saí apedrejando as mães que se sentem bem em fazê-lo em público. Simplesmente respeitei. Acompanhei o movimento, li muitos posts, e compreendi outros pontos de vista. Questão “mamaço virtual” encerrada.

Então, acontece o que aconteceu no CQC. Pausa:  Não tá entendendo nada? Clique aqui agora!

Esses homens… Meu marido trabalha numa loja feminina e, vira e mexe, uma mãe se põe a amamentar lá mesmo. E ele sempre reclama (não com a mãe, óbvio!). Não é por nada, não. Mas ele fica sem graça, sem saber para onde olhar, constrangido.

Depois de ser mãe, percebi que, em geral, os homens se sentem assim: amigos, parentes e até meu pai ficava mais “travadão” quando eu estava amamentando. De repente aquele peitão, que para eles tem tudo a ver com sexo, vira o alimento e o acomchego de um bebê. A verdade é que é difícil para os homens entender o que acontece com a gente quando se está amamentando. Fato.

Oras! Por que eu estou nessa blogagem coletiva?

Por respeito! Uma coisa é você receber um apelo de uma mãe falando da censura ao ato de amamentar e não se manifestar a respeito. Outra coisa é você avacalhar geral, em rede nacional.

Pô, Tas! Você é colunista da revista Crescer. Não deveria permitir esse tipo de comentário em seu programa. E, por isso, tenho certeza de que vai haver um pedido de desculpa, uma explicação para isso.

Enfim: não amamentei em público, não concordo com isso, mas respeito quem opta por fazê-lo sem constrangimento. E tenho certeza de que meu marido jamais deixará de oferecer um banquinho a uma mãe que queira dar de mamar a seu filho dentro da loja dele, nem pedirá para que ela vá com suas tetas a um banheiro.

#BASTA à falta de respeito com o outro! #BASTA a esse assunto!

9 comments

  1. Disse tudo!!!

    Posso dar control+C control+V???? kkkkk
    Brincadeiras à parte, é exatamente isso. Não me sinto bem amamentando em público, aliás, nem sendo gente conhecida eu curto que me veja amamentando. Sempre procurei ir em fraldários e tudo mais. Mas, sendo realmente necessário eu amamentei e amamento, ué.
    Agora, proibir e avacalhar não dá né???
    Respeito é bom e todo mundo gosta!!

  2. Concordo com tudo.
    No primeiro parágrafo, parece até que você descreveu a minha rotina de amamentação.
    Apoiadíssima.
    Beijos,
    Milene

  3. É isso mesmo!!!
    É assim que me sinto tb!!!
    Meu post da blogagem coletiva está aqui: http://hsordili.blogspot.com/2011/06/blogagem-col

    bjs

  4. É, essa história gerou tantos constrangimentos, né?
    Eu tb ficava envergonhada de amamentar em público. Sim, é o alimento do meu filho. Mas ainda é o meu peito, oras!
    Agora, que os caras do CQC exageraram, isso é verdade. Aliás, eles vem dando mancadas em série. Só lamento.
    Beijos

  5. Olha para mim amamentar é natural, e amentei em público, não posso dizer q me sentia "a vontade", colcoava uma fraldinha em cima, pedia para o marido ficar na frente fazendo barreira, e etc.
    Mas também não deixei meu filho NUNCA com fome por causa do meu PUDOR, amamentei em público, amamentarei os outros filhos.
    Para mim seios têm finalidade especifica quando se é mãe.
    bjs

  6. Eu não sei se me sentiria confortável em amamentar em público também, creio que realmente iria procurar por um lugar mais reservado, porque também me sinto constrangida com o ato. Mas ao mesmo tempo, concordo que deva haver o respeito a quem queira fazer isso em público, já que o bebê também não pode adivinhar se poderá mamar ali ou não, né! Ao mesmo tempo, acho que os meninos do CQC pegam muito pesado às vezes. Não creio que Rafinha Bastos seja este ogro que ele parece ser no programa, afinal tem esposa e acabou de ter uma filha. Bom, pelo menos espero que ele não o seja! M.Taz deveria dar umas boas chacoalhadas com alguns comentários, já que se trata de um programa que tenta ser tão correto em relação à honestidade dos políticos brasileiros, e não deveria se comportar com desrespeito à população, né?
    E chega deste papo de mamaço! rsrsrsrs
    Beijos

  7. Olá!
    Tenho três filhas, não pude amentar nenhuma delas pois tenho o bico do ceio invertido, é muito frustante pra mãe não poder fazê-lo, mas procurei me colocar no lugar de vcs que puderam fazer, com certeza eu ficaria muito macha, coisa que aliás só me despertou isso a maternidade. Lutamos tanto por ter direito a tanta coisa, agora ter que exigir respeito até na hora de amamentar?!?
    É o cúmulo. Quem se acha no direito de críticas, deveria só por um dia trocar de lugar conosco, pra daí então, só então, poder dizer algo tendo conhecimento de causa.
    E tenho dito.
    bjs Milene

  8. Adorei seu post e a vontade foi dar um control+C / control+V, como disse a Tathy! Comprei até blusas especiais para amamentar para não ficar tão exposta em público, mas quem gosta de fazê-lo e não sente constrangimento não pode ser impedida! Mas concordo em gênero, número e grau com tudo que você disse!

    Adorei seu blog! Já tinha lido alguns posts seus no TDM e só agora passei por aqui!

    bjs

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: