Amanhã de manhã…

cafe

Nosso dia a dia cheio de afazeres deixa nossa rotina corrida. A gente se tornou refém de nossos próprios compromissos, e as atividades que antes eram sociais e prazerosas viraram eventos automáticos e frios.

Refiro-me às refeições: antes as famílias sentavam-se à mesa, sem interferência alguma, não só para alimentar o corpo, mas também para nutrir a alma de quem participava daqueles eventos. Hora de comer era a hora de por o papo em dia, saber como foi o dia do outro. Comer era um ato social.

Com o passar do tempo, fomos perdendo a mão.

Cada um come numa hora, num canto da casa. Quando se consegue juntar dois ou três membros da família, lá estão eles acompanhados de uma telinha qualquer. A mesa deixou de ser parte do coração da casa para ser peça de decoração da sala de jantar, e agora ela mais parece uma escrivaninha.

Hoje percebo um certo resgate do ato de se alimentar: as famílias buscam almoçar e/ou jantar juntas, ainda que com a TV ligada. Amigos se reúnem em restaurantes e se comprometem a deixar os celulares intactos sobre a mesa.

Entretanto, o café da manhã ainda é o patinho feio da história. No afã do “só mais cinco minutinhos”, cada um levanta no seu horário e engole uma bolacha acompanhada de um café instantâneo. Tudo para não perder a hora que o trânsito com certeza irá lhe roubar. Mas acho que é nesse desjejum que poderíamos conversar sobre nossas expectativas e, sinceramente, desejar bom dia ao outro.

A falta de tempo a gente dribla deixando a mesa posta na noite anterior, preparando um ou outro quitute de antemão. Abrir mão de meia horinha de sono pode garantir um dia mais gostoso, mais bem aproveitado, uma vez que despertaríamos e encheríamos nosso organismo de energia para enfrentar o dia a dia.

Café da manhã de comercial de margarina não é coisa para todos os dias, assim como almoços e jantares de comercial de óleo de soja não o são.

Proponho a você fazer essa experiência em casa: oferecer café da manhã para a família como uma refeição durante uma semana.

Eu começo o projeto hoje. Vem comigo?

Veja aqui todos os dias do projeto: Desafio de todas as manhãs.

Check Also

familia schurmann

Um mar de emoções com a Família Schurmann

Heloísa, a mãe da Família Schurmann, que mora num veleiro, conta como é ser mãe …

11 comments

  1. Rogeria Ferreira Thompson

    Vixe, perdi já o dia de hoje… primeiro dia de aula depois das férias… imagina a loucura e a preguiça da galerinha?? Sei não!!! Mas quem sabe, não custa tentar!! Aqui em casa não acordamos com vontade de comer muita coisa, as crianças só tomam um nescau, nunca querem comer nada… Bjs e vale a tentativa!!!

  2. Prometo me comprometer e tentar… perdi o dia hoje, mas é algo pra se pensar. ótima ideia.

  3. concordo.
    aqi conseguimo fazer o almoço em conjunto, todos os dias. cafe´da manhã aos finais de semana.

  4. aqui em casa fazemos um esforço para manter como momentos sagrados as refeições: celulares e televisão são proibidos e conseguimos manter pelo menos o café da manhã e o almoço em família. o jantar ainda sofre por causa dos horários da mais velha… não tive isso quando era criança e olho para traz e vejo como isto faz falta, detesto comer sozinha até hoje! mesmo super gulosa, às vezes prefiro bem comer… as refeições são momentos para a manutenção do vínculo familiar e acho que merece uma atenção muito especial!

    • Mari, sou assim tb: ou como com companhia ou vou enganando a fome. Já almoçávamos e jantávamos em família, e agora temos café p começar bem o dia. Estou amando a experiência q já virou rotina.
      Jokas da Mi

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: